Publicado 26/02/2019 - 14h44 - Atualizado 26/02/2019 - 14h45

Por Henrique Hein

O pôr do sol na ilha caribenha, um dos cartões-postais de Curaçao

Divulgação

O pôr do sol na ilha caribenha, um dos cartões-postais de Curaçao

Feche os olhos por um instante e imagine uma praia com água cristalina e de cor azul-turquesa. Imaginou? Agora pense em um paraíso tropical que te enche os olhos e te convida para um banho em um mar com águas calmas e de temperatura agradável. Imaginou? Para completar o cenário, acrescente também algumas rochas e um céu azul que contrasta com o branco das nuvens e da areia da praia. Parece mentira, não é mesmo? Agora imagine saber que tudo isso que te fez sonhar em ver existe e fica em Curaçao. Pois bem, não há nenhuma outra palavra que traduza melhor os 444km² do país caribenho do que a de um verdadeiro: paraíso.
Lá, seus sortudos 150 mil habitantes e os turistas têm à disposição mais de 35 praias de águas cristalinas e tão belíssimas que impressionam e encantam logo à primeira vista. Curaçao é de fato o suprassumo do Caribe, com praias menores e intocadas, bistrôs pé na areia e cheios de charme. É um destino romântico, mas é também superbacana para quem gosta de vivenciar bons momentos em família.
O local oferece uma gastronomia diversificada e bastante saborosa, drinques e uma infinidade de praias de águas calmas e cristalinas, além de um ótimo centro de compras, rico em história. Todos os habitantes falam ao menos quatro idiomas: holandês, inglês, espanhol e papiamento. Se você fala apenas o português, fique tranquilo, porque mesmo quem não tem um segundo idioma no currículo consegue se virar sozinho na ilha. É só falar um pouquinho mais devagar ou gesticular que todo mundo vai te entender.
Desconhecido pela grande maioria das pessoas, o papiamento é uma linguagem que foi criada pelos escravos que trabalhavam na lavoura de cana-de-açúcar e foram trazidos de lugares como Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé. É uma mistura de português, espanhol e holandês. Segundo os habitantes da ilha, o dialeto teve sua origem para que fosse possível conversar, sem que os senhores de escravos pudessem compreender o que era dito. Para os brasileiros o papiamento não chega a ser assustador, já que muitas palavras são muito parecidas ou iguais ao português. Uma das palavras mais populares no país é “dushi” que significa ‘doce’ ou ‘querido’ e é utilizada para se referir carinhosamente a uma pessoa ou algo que represente tudo de bom, bonito, legal e gostoso.
Fora da rota dos furacões, o país é um paraíso tropical apaixonante e pode ser visitada com segurança em qualquer estação do ano. A ilha é abençoada com um clima quente e sem muitas chuvas durante todo o ano – apenas em junho e julho é que os fortes ventos costumam aparecer, mas nada que perturbe ou prejudique a viagem de ninguém. Em novembro, a alta temporada começa e vai até março – período em que muitos europeus buscam o destino para fugir do Inverno rigoroso que se faz presente no velho continente.
Uma informação importante e que você deve saber antes de viajar é que nem todas as praias de Curaçao são públicas e para frequentá-las é necessário pagar – algo em torno de US$ 3 (R$ 10,00). Ao contrário do que muitos pensam, essa informação não precisa ser uma característica ruim, já que todas elas são muito bem estruturadas, limpas, com duchas, banheiros e barracas com bebidas e, algumas vezes, até piscina com borda infinita para o mar.
 
O jornalista viajou a convite do governo de Curaçao por meio da Mondiale Viagens e Turismo

Escrito por:

Henrique Hein