Publicado 20/04/2019 - 14h29 - Atualizado 20/04/2019 - 14h29

Por Luís Cesar de Souza Pinto

Nova geração do utilitário já está a venda no Brasil, em duas configurações, e com surpresa sob o capô

Divulgação

Nova geração do utilitário já está a venda no Brasil, em duas configurações, e com surpresa sob o capô

O novo Jeep Wrangler chega ao mercado brasileiro combinando sua história lendária com a conhecida capacidade de encarar situações radicais numa boa. Produzida nos EUA, a nova geração do utilitário, batizada de JL, será vendida aqui na versão Sahara, com duas portas (R$ 259.990) e quatro portas (R$ 274.990). Além de novidades estéticas, o modelo traz nova motorização câmbio.
O novo visual exterior do Wrangler é ousado e rústico e mantém as tradicionais referências ao Jeep Willys de 1941. A linha de cintura está mais baixa e janelas maiores para melhor visibilidade, especialmente nas trilhas. A grade de sete fendas é ‘invadida’ pelos invocados faróis circulares em suas extremidades e o para-brisa ficou mais inclinado, favorecendo a aerodinâmica. Faróis e lanternas são de led.
O uso de extensivo alumínio nas portas, capô, para-lamas dianteiros, tampa traseira, sistema de direção e suporte do motor baixou o peso total do modelo em cerca de cem quilos.
Diferenciais interessantes também foram introduzidos nessa nova geração. As dobradiças das portas, por exemplo, agora trazem a especificação da ferramenta necessária para remover os parafusos. A capota pode ter cada uma de suas três peças removidas individualmente. A nova barra transversal que liga as colunas dianteiras agora permanece no lugar quando o para-brisa é rebatido, preservando o retrovisor interno. Até dobrar o para-brisa ficou mais fácil, com a introdução de apenas quatro parafusos de fixação.
Para facilitar a vida dos trilheiros, o interior do novo Jeep Wrangler é inteiramente durável, com plugues de drenagem para fácil limpeza. Destaque também para a quarta geração do o sistema multimídia Uconnect com tela tátil de 8,4 polegadas, navegação GPS e conectividade com os sistemas Apple Car Play e Android Auto. Outra exclusividade do Uconnect no Wrangler são as Off-Road Pages. Essas telas passam informações importantes como os graus de inclinação lateral e longitudinal do veículo, o modo de tração selecionado, o grau de esterço da direção, as coordenadas geográficas, altitude em relação ao nível do mar, entre outras.
No pacote de equipamentos de série, destaque para os itens de segurança: airbags frontais e laterais, controles de tração, estabilidade e oscilação da carroceria, assistente de partida em rampa, assistente de descida, monitoramento de pontos cegos, Isofix para fixação de assentos infantis, monitoramento de pressão dos pneus, nivelamento automático dos faróis, câmera e sensores traseiros de estacionamento, além de sistema de entrada e partida sem chave, ar-condicionado digital, bancos revestidos em couro, faróis e lanternas de neblina e rodas de 18 polegadas.
NOVO CÂMBIO DE OITO MARCHAS AJUDA A BAIXAR CONSUMO
O novo motor é um 2.0 de quatro cilindros a gasolina, com turbo e injeção direta de combustível, que oferece 272 cv de potência a 5.250rpm e 40,8 kgfm de torque a 3.000rpm, que substitui com vantagem o antigo V6.
O novo Wrangler ganhou ainda o câmbio automático de oito marchas - o antecessor tinha apenas cinco velocidades. Isso ajuda a baixar o consumo e também dar uma mão nas primeiras marchas, que podem ser encurtadas para melhorar as arrancadas e retomadas.
O Jeep Wrangler 2019 reforça a capacidade off-road graças a dois sistemas 4x4 avançados e, pela primeira vez na história do modelo, uma caixa de transferência de duas velocidades com tração integral permanente e uma relação reduzida de 2,72:1 na versão Sahara.
Chamada de Selec-Trac, essa nova caixa de transferência é intuitiva e permite que o condutor o configure e esqueça, enquanto a força é constantemente entregue às rodas dianteiras e traseiras. Entretanto, continuam existindo as posições específicas para off-road, com a tração 4x4 dividida igualmente entre os dois eixos e a 4x4 reduzida.

Escrito por:

Luís Cesar de Souza Pinto