Publicado 03/06/2019 - 14h38 - Atualizado // - h

Por Alisson Negrinho

O fotógrafo Luiz Granzotto prepara um livro histórico recheado de imagens feitas ao longo dos 47 anos em que atua no gabinete do prefeito de Campinas

Luiz Granzotto

O fotógrafo Luiz Granzotto prepara um livro histórico recheado de imagens feitas ao longo dos 47 anos em que atua no gabinete do prefeito de Campinas

 Com o passo apertado e a máquina em mãos, o experiente fotógrafo mantém o olhar atento, buscando antever a situação e garantir o melhor registro. Depois de tantos anos, o clique sai da maneira mais natural possível, como algo que faz parte do seu DNA, tal qual o talento, evidenciado ainda na juventude, quando ganhou a primeira máquina. Só o que ele não conseguiu prever é que além de registrar a história, seria personagem da mesma. Este é Luiz Granzotto, há 47 anos fotógrafo oficial à frente do Gabinete do Prefeito na Prefeitura Municipal de Campinas, e que neste ano lançará um livro com imagens da consagrada carreira.

A publicação, que terá distribuição gratuita, deve contar com mais de 200 fotografias acompanhadas de pequenos textos, que servirão para contextualizar o momento. A ideia surgiu há quase cinco anos e finalmente tomou forma.

“É uma prestação de contas do meu trabalho, registro do que fiz para a cidade e outras coisas minhas que fotografei em geral, no dia a dia como fotojornalista. Inicialmente devem ser cinco mil exemplares, estamos buscando os patrocinadores para viabilizar o livro”, explica Granzotto, que já vislumbra o que o leitor pode esperar.

“Vai se deliciar com as imagens, é a cidade que vivemos, além de se sentir bem informado e descobrir coisas que não sabia. Eu terei sido o responsável por gravar isso pra posteridade.”

Do sítio para a Prefeitura
Natural de Araraquara, Luiz Granzotto chegou ainda pequeno em Campinas, aos 7 anos. Cansado e em busca de novas aventuras, o pai, que trabalhava numa roça, resolveu vir para a cidade, onde seu irmão já estava.

Quis o destino que Granzotto, depois de um período apenas estudando, arrumasse trabalho em um armazém. Por lá, sua patroa levava revistas velhas e ele ficava admirando as fotos, imaginando como eram feitas.

“Ninguém na minha família tem relação com fotografia ou jornalismo, mas nunca pensei em fazer outra coisa na vida, é algo que nasceu comigo. Naquela época não havia ninguém que era referência pra mim. Minhas referências eram as revistas”, relata o fotógrafo, que ganhou a primeira máquina de seu pai, aos 15 anos.

O armazém em questão ficava em um sobrado, e na parte de cima morava um funcionário da Prefeitura. “Ele me disse que estavam construindo um laboratório fotográfico na Prefeitura, e eu já gostava muito. Fiquei seis meses aprendendo, sem receber quantia alguma."

Momentos marcantes
Aos 67 anos, Granzotto tem muitas histórias registradas não só por suas lentes, mas também pela memória. Alguns dos momentos possuem espaço especial no coração do fotógrafo, como quando ainda garoto, viu o então prefeito, Orestes Quércia, lhe pedir um registro.

“Um belo dia ele precisava de uma foto e me questionou ‘mas você sabe tirar? Vai sair a foto?’ Eu disse que sim, tirei, e eu mesmo revelei, depois de uns quatro meses fui contratado pela Prefeitura. Foi tudo casualmente, fui conquistando meu espaço. Foi de arrepiar. Eu consegui porque eu tinha tanta vontade de fazer aquilo, conquistei o espaço batalhando.”

Acompanhando o 13º prefeito diferente e sem atrito com nenhum, ele conta com bom humor que não é possível compará-los e que o melhor é sempre o atual. Ainda assim, guarda com carinho o tempo ao lado de José Roberto Magalhães Teixeira. “Ele deu bastante trabalho, mas era prazeroso demais trabalhar com ele, brincava muito”, diz.

Apesar das milhares de fotos já feitas, algumas são marcantes. "Tem um registro que fiz do monumento do Carlos Gomes, em que peguei de cima do prédio, ele está com o braço estendido e passa uma pessoa debaixo, parece que está sendo abençoada. Na época fiz uma exposição e o Beto Godoy (jornalista) deu o título 'Vai nessa garoto', então é uma imagem bem sugestiva. Tem também uma do concerto da Orquestra Sinfônica, que usei o tripé para pegar os canhões disparando, deu um efeito bonito."

Por falar em Sinfônica, recentemente Granzotto foi homenageado pela Orquestra, por estar em São Paulo na época das Diretas Já e ter fotografado dois concertos. "Me deram uma medalha dos 90 anos da Sinfônica, depois de muito tempo ser reconhecido... Fiquei emocionado", comenta o profissional, que em 2012 recebeu o título de Cidadão Campineiro.

Aposentadoria e futuro
Depois que lançar seu livro, o fotógrafo pretende se aposentar. Segundo ele, seus filhos já o cobraram sobre o assunto. Isso, entretanto, não significa que irá parar de fazer seus cliques por onde passar.

“Nunca pensei em quanto tempo eu ficaria na Prefeitura. A vida passa tão rápida e eu fui ficando, me sinto realizo e privilegiado, não é para qualquer um ficar tanto tempo assim no mesmo local. Quando eu me aposentar vou sempre tirar fotos por aí, ainda mais com a facilidade de hoje em dia com o celular. Não dá para parar, fiz isso a vida toda", projeta.

Escrito por:

Alisson Negrinho