Publicado 11/07/2019 - 12h37 - Atualizado 11/07/2019 - 12h37

Por Da TV Press

Isabelle despontou como atriz mirim interpretando a boneca Emília

Divulgação/Globo

Isabelle despontou como atriz mirim interpretando a boneca Emília

Aos 25 anos, Isabelle Drummond já tem muita história para contar. Também, pudera. Desde os sete anos, ela bate ponto nos estúdios da Globo. Depois de pequenas participações em Laços de Família e Linha Direta, a atriz se tornou conhecida ao interpretar a Emília de Sítio do Picapau Amarelo, entre 2001 e 2006.
De lá para cá, cresceu sob os olhos do público, que a acompanhou na pele de mocinhas de produções como Cheias de Charme e Novo Mundo. Mas, apesar de estar acostumada com o protagonismo ou papéis de destaque, a Manuzita, de Verão 90, trouxe elementos novos à sua trajetória. Afinal, trata-se de uma personagem para lá de irreverente. “Manuzita, realmente, é fora do padrão de todas as mocinhas que eu já fiz. Ela é muito autêntica e tem a comédia por trás. Construir esse lugar foi um desafio para mim”, analisa.
Além de interpretar uma protagonista inusitada, Verão 90 deu a Isabelle a chance de reviver a Emília. Em janeiro deste ano, a atriz se vestiu como a boneca de pano que a revelou para gravar cenas da novela das 19 horas. O momento foi tão nostálgico quanto divertido. “Foi uma surpresa para mim. Essa novela é feita de homenagens: à televisão, à história da arte e ao teatro. A Manuzita passeou por alguns lugares: MTV, pelo teatro, ela tentou fazer cinema, ela tentou tudo”, descreve.
Isabelle Drummond faz o tipo discreta. Mas, quando a causa é justa, ela sabe como ninguém aproveitar sua imagem e fama de artista para mobilizar. À frente da ONG 197 Casa, a atriz ajuda comunidades carentes. Certa vez, inclusive, reuniu amigos para reformar a casa de uma família que havia pegado fogo, no Rio de Janeiro. “O fato de termos a nossa vida exposta, ter essa representação para as pessoas, é uma coisa boa, mas também traz uma responsabilidade. Mas sempre dá para a gente usar e trazer uma transformação”, acredita.
Foi pensando em como poderia aproveitar melhor sua própria visibilidade que Isabelle deu início à ONG. O projeto começou também discreto, sem nenhuma divulgação na imprensa. A ideia era, além de preservar os beneficiados, angariar apenas ajudas que valessem a pena. “É bacana divulgar quando isso pode ajudar quem está ajudando e quem vai ser ajudado. Por isso que a gente pensa sempre no que vai divulgar e em como isso vai ser feito”, explica.
Assim como Manuzita e Lidiane em Verão 90, Isabelle também possui uma relação de cumplicidade com a mãe, Damir. “A minha mãe representa uma inspiração de postura, caráter e índole. A minha mãe é o meu pai”, afirma a atriz, que perdeu o pai assassinado a tiros, em 2007. Foi a mãe que sempre a levou nos testes de televisão e mantinha os pés da filha no chão.
Mas, diferentemente de Lidiane, Damir nunca foi impulsiva e nem incentivava Isabelle a competir com outras atrizes nos bastidores. “Existiam muitos elogios ao redor, então a minha mãe sempre deu uma dosada nisso, até para que eu não me perdesse nesse caminho”, lembra.

Escrito por:

Da TV Press