Publicado 10/07/2019 - 14h35 - Atualizado // - h

Por Daniela Nucci

Uma das pioneiras dessa onda foi a diretora da Vogue britânica, Sarah Harris, que começou a ter cabelos brancos aos 16 anos e, desde então, assumiu a cor natural

Pinterest

Uma das pioneiras dessa onda foi a diretora da Vogue britânica, Sarah Harris, que começou a ter cabelos brancos aos 16 anos e, desde então, assumiu a cor natural

Loiras, morenas, ruivas e...brancas. Esse é o novo tom que caiu nas graças de muitas mulheres que deixaram para trás a ditadura do retoque e assumiram os fios platinados, cada vez menos associados à velhice e desleixo. E isso não se restringe as mulheres acima de 50 anos. Hoje, muitas jovens apostam em tintas no tom branco nórdico e cinza, assim espalham a tendência de que o tom gray (grisalho) veio para ficar. Segundo a cabeleireira Raquel Cardoso, deixar de pintar o cabelo não é só uma questão de estilo pessoal, mas se relaciona com o conceito de empoderamento feminino. “A mulher está mais atrevida, liberal e muito confiante. Se aceita como é e deixou o preconceito de lado. Não liga para o que ouve e faz o que sempre quis, mas não tinha coragem. Ela faz experiências e se não gosta, volta a pintar, mas a maioria se sente livre e assume”, diz Raquel. Para encarar o período de adaptação, a profissional recomenda diminuir a coloração e apostar num corte diferenciado. “Um corte curto é uma boa pedida porque ele dá um ar mais moderno e se livra das pontas coloridas. Existem muitas entidades que aceitam esse tipo e cabelo e muitas acabam doando”, comenta. Para evitar os fios amarelos e o ressecamento, Raquel indica passar carvão orgânico. “O cabelo branco exige toda semana hidratação porque os fios são mais porosos, já que não tem pigmento e está aberto. Tomar muito cuidado com xampu roxinho porque, em excesso, pode ressecar, indico uma vez por semana”, diz.
Segundo ela, a tendência veio da Itália, desde o ano passado. “As mulheres apostam mais nos cabelos de tom frio, que são os acinzentados, principalmente para quem gosta de loiro, que não usam mais o tom dourado”, diz Raquel.
O movimento das platinadas é tão forte que existe um site intitulado “Revolution Gray”, que encoraja as mulheres a aceitarem a sua cor de cabelo natural. Além de várias sugestões de produtos e histórias compartilhadas, funciona também como um conselheiro de penteados e de cuidados para o cabelo.
Cheia de estilo e personalidade, a empresária campineira Renata Patroni, de 52 anos, aderiu há 4 anos à onda dos fios brancos e diz que foi a melhor escolha da vida pessoal e financeiramente. “Sou muito ativa e não tinha tempo, paciência e dinheiro para ficar toda hora refazendo as raízes. Meu cabelo cresce muito rápido. Tento manter um corte moderno e vanguarda para não ficar parecendo uma velhinha e não saiu de casa sem maquiagem. Uso sempre um batom forte porque dá um bonito contraste e não ficar com cara de largada. A liberdade que ganhei é fantástica, meu cabelo não me dá trabalho”, diz Renata. “Hoje recebo muitos elogios pela minha aparência e também pela coragem, inclusive do meu namorado. Me sinto bem, pois a liberdade que isso me trouxe é fantástica e não tem preço”, comenta Renata. Seu ritual de beleza hoje se limita a xampu e condicionador e, uma vez por semana, usa xampu roxo para não amarelar.
Também cansada da ditadura do retoque, a professora Flávia Regina Brizolla Borges, de 44 anos, assumiu os fios brancos há um ano e meio. “Não aguentava mais pintar os cabelos a cada 20 dias, fora o gasto com salão e tinta. Cansei de me preocupar como as outras pensariam e me achariam velha. Foi uma conquista pessoal e me orgulho dos meus cabelos brancos. Fora que meu marido amou e faz o maior sucesso”, comenta Flávia.
Aos 61 anos, a assistente executiva de uma multinacional, Ingrid Naggiar, nunca usou tinta no cabelo. “Fui deixando acontecer naturalmente, sem nenhuma preocupação. Os fios foram branqueando, fui curtindo e gostando cada vez mais. Acho lindo e harmoniza super bem com as marcas do tempo, acho que aumenta o brilho do rosto e dos olhos. Se trata mais de uma questão de gosto. Tem gente que não gosta de cabelo branco e eu não gosto de cabelo tinto. Com toda certeza me sinto solta e independente da obrigatoriedade de retocar raiz e tal. Adoro o meu cabelo”, completou Ingrid.
Referências platinadas
Sinônimo de poder e estilo, a personagem da atriz Meryl Streep em O Diabo Veste Prada virou referência no assunto, com seu cabelo platinado, em 2006. Outras que causam com as madeixas platinadas são a modelo americana dos anos1990, Kristen McMenamy, que assumiu os fios grisalhos aos 40 anos, e a jornalista da edição britânica da Vogue, Sarah Harris, famosa pela sua longa cabeleira branca nas semanas de moda. Mulheres jovens e descoladas como as cantoras Lady Gaga e Rihanna já aderiram o tom e só deram mais força para aquelas que ainda pudessem ter receio da cor. Por aqui, Ludmila também fez bonito com os fios acinzentados.

Escrito por:

Daniela Nucci