Publicado 15/10/2019 - 15h06 - Atualizado 28/10/2019 - 19h44

Por Fábio de Mello

Porção de pasteis apetitosos é preparada no capricho pela equipe que pilota o fogão do boteco aberto há apenas seis meses na Vila Industrial

Fábio Mello/AAN

Porção de pasteis apetitosos é preparada no capricho pela equipe que pilota o fogão do boteco aberto há apenas seis meses na Vila Industrial

O Vila Bar é capitaneado pela Tatiane, uma baiana arretada que vive em Campinas há cerca de 6 anos. Seus filhos e irmão ajudam a tocar o barco, que navega pela Vila Industrial há apenas 6 meses, onde os ventos da cultura local, em calmaria há algum tempo, voltam a soprar com a ajuda da bodega.
A equipe dedica-se a resgatar artistas e valores da região. Alessandro, que faz parte do Quarteto de Cordas Vocais (grupo fundado em Campinas em 1995), trabalha como curador da agenda cultural, além de se apresentar no segundo sábado de todo mês, com seu projeto Samba da Vila. Tucha, um antigo sambista do bairro, chega com a sua roda no último sábado do mês. A decoração também prestigia talentos da região, como o artista plástico Fabiano Carriero, radicado na vizinhança.
O Vila Bar oferece uma grande variedade de pratos e petiscos, todos criados pela proprietária, que sempre trabalhou com cozinha e tem talento para o tempero caseiro. Os fregueses que chegam com fome podem provar a macia e suculenta picanha na chapa e, para quem prefere apenas beliscar, os espetinhos são boas pedidas. Aos botequeiros que não comem carne, indico o espeto de abobrinha com gorgonzola, que é o favorito da capitã Tatiane. Aos que não estão de dieta, o pudim de tapioca é de comer de joelhos.
Para matar a sede, a birosca serve destilados, batidas e caipirinhas, além dos rótulos de cerveja tradicionais. Recomendo a clássica caipirinha de cachaça e limão para começar os trabalhos, acompanhada da deliciosa porção de pastéis e algumas geladas. Saúde!
ONDE
Vila Bar. Rua Doutor Pereira Lima, 548, Vila Industrial. Aberto de segunda-feira a sábado, das 11h às 15h e das 17h às 23h.

Escrito por:

Fábio de Mello