Publicado 28/10/2019 - 15h02 - Atualizado // - h

Por Da Redação da Metrópole

A coordenadora do Grhus, Karla Poltronieri, celebra os 43 anos ao lado da tesoureira Ana Rita Leivas, da secretaria Angela Landman e da vice coordenadora do grupo, Josânia Bortoletto

GRHUS/RPasquarelo

A coordenadora do Grhus, Karla Poltronieri, celebra os 43 anos ao lado da tesoureira Ana Rita Leivas, da secretaria Angela Landman e da vice coordenadora do grupo, Josânia Bortoletto

Sempre em busca de inovação, o Grupo de Recursos Humanos de Campinas e Região - Grhus celebrou seus 43 anos de existência em evento comemorativo realizado na quarta-feira na Casa de Campo do Hotel Royal Palm Plaza. Os 300 convidados, executivos de grandes empresas de Campinas e região, foram brindados com uma palestra proferida pelo sócio-fundador e CEO da Crescimentum, Arthur Diniz, que compartilhou seus conhecimentos sobre as principais tendências do Vale do Silício, berço das maiores empresas de tecnologia do mundo, situado na Califórnia (EUA). O Grhus é uma associação sem fins lucrativos, que reúne profissionais de recursos humanos atuantes em grandes empresas de Campinas e região. Atualmente composto por 38 empresas, a entidade promove evento comemorativo todos os anos para marcar mais um aniversário.
Mas o que o Grhus e o Vale do Silício têm em comum? Há mais de 40 anos, as duas histórias se consolidavam. Executivos de várias empresas da região de Campinas se reuniram, há 43 anos, para discutir problemas e soluções sobre a gestão de recursos humanos. Pouco antes, há 48 anos, uma região localizada na Baía de São Francisco começou a abrigar nomes promissores da indústria da alta tecnologia.  
Com vasta experiência em visitas e estudos em empresas do Vale do Silício, pesquisando pessoas e cultura, Diniz conversou com os profissionais presentes no evento, discorrendo sobre as melhores práticas que vêm contribuindo para construir organizações mais exponenciais e preparadas para o futuro. Durante a palestra, o público pode conhecer um pouco dos segredos de grandes empresas do Vale do Silício para criar culturas organizacionais fortes, que inspiram tanto colaboradores internos como clientes, fornecedores e comunidades ao redor. Diniz também mostrou as melhores práticas, o que há de mais novo e disruptivo em todas as fases do ciclo de vida do colaborador, desde a atração até a avaliação de sua performance. O momento também foi usado para discutir, repensar, provocar e desafiar os profissionais, para que se empoderem na construção de empresas exponenciais mais ágeis, resilientes, lucrativas e sustentáveis. Tudo para estimular a troca de informações e experiências em todos os assuntos relacionados a recursos humanos, buscando constante atualização e desenvolvimento das pessoas. “A ideia foi mostrar quais ações diferentes as empresas de potencial estão tomando para montar culturas especiais e que geram resultados extraordinários. Outro ponto foi a importância de contratar, contando os cases que vivi por lá, pessoas com quem tive a oportunidade de interagir, e contar as histórias dessas diferentes empresas que fazem da sua cultura um grande diferencial para atingir resultados”, diz Diniz. Para os profissionais de recursos humanos e executivos é essencial entender o que está sendo feito de diferente devido às mudanças da atualidade. “Eles precisam entender que se a cultura da humanização não mudar, a empresa ficará para trás e o profissional também”, completa o palestrante.

Escrito por:

Da Redação da Metrópole