Publicado 14/01/2020 - 07h53 - Atualizado 14/01/2020 - 07h53

Por Francisco Lima Neto

Contratada em caráter emergencial, Terra Auto Viação cometeu vários equívocos desde o último dia 10

Matheus Pereira/Especial para a AAN

Contratada em caráter emergencial, Terra Auto Viação cometeu vários equívocos desde o último dia 10

A troca da empresa concessionária do transporte público de Paulínia gera problemas, desgaste e uma série de reclamações na cidade desde o último final de semana. Quem tem créditos da Viação Flama, do Grupo Passaredo, antiga prestadora do serviço, não consegue utilizá-los no sistema da Terra Auto Viação, que ganhou o contrato emergencial, por conta disso, os veículos estão circulando sem cobrar a passagem há três dias. O prejuízo não foi mensurado pelos empresários nem pela Prefeitura. De acordo com dados oficiais, o sistema público transporta cerca de 64 mil usuários por dia .
O serviço está em transição desde o ano passado, quando representantes das duas empresas e da Prefeitura de Paulínia alinharam que a empresa prestaria o serviço até 10 de janeiro, já que o contrato venceu em 5 de dezembro de 2019.
O objetivo era justamente evitar prejuízos e transtornos para a população durante a troca da empresa, mas ainda assim, não adiantou muito, já que as reclamações sobre o serviço prestado pela Terra são inúmeros desde sábado. No entanto, parece que não resolveu muita coisa, já que a troca gerou incontáveis reclamações, como poeira, sujeira, ônibus velhos, que não cumprem o itinerário, sem ar-condicionado e com as janelas travadas.
Outro ponto que gerou grande insatisfação foi o fato de vários coletivos circularem indicando nomes de bairros do Rio de Janeiro e não de Paulínia. O que mostra que nem mesmo os mais de 30 dias de transição foram suficientes para preparar o básico. Os usuários reclamaram dos atrasos e falta de informações. Além de todos os problemas já apontados, os usuários que ainda possuem créditos da antiga empresa, não conseguem utilizar no sistema da nova empresa.
"Está bem complicado, vi várias falhas. Uma mulher prendeu o braço na hora de descer, os veículos estão bem sucateados. São piores que os anteriores, a gente esperou coisa melhor, mas ficou bem pior, muita gente está reclamando", disse Ana Paula Costa, estudante de direito. "Está muito ruim. Os ônibus parecem umas sucatas velhas. Não passam nos horários. Em vista desses agora tava melhor antes. Cheguei 25 minutos atrasada no trabalho”, reclamou Eliane Rosa Costa, de 33 anos.
"Eu tava há 25 minutos esperando no ponto lá de baixo, mas vim para cá porque lá não está passando. Esperei 50 minutos de manhã o ônibus no ponto. Prejudicou muita gente. Teve gente que pagou Uber, teve gente que pediu carona pra amigo. A gente tem horário a cumprir com o cliente", contou Maria Antonia, autônoma, de 49 anos.
As reclamações também tomaram as redes sociais. "Se o letreiro está errado porque não desligaram? Se iniciou no dia 11, porque não higienizaram os ônibus? Foi feita vistoria nos itens de segurança?”, questionou Fernando Faria.
"Está de brincadeira falar que tão fiscalizando. Então o problema de visão tá grave e estão na rua fiscalizando não sei o que porque hoje o tempo de espera nos pontos chegou a quase 2 horas na linha do João Aranha. Palhaçada", reclamou Rafaela Oliveira.
"Sucatearam ônibus usados lá no Rio de Janeiro para rodar em Paulínia. Conheço cidades que não têm a renda que Paulínia tem e conseguem fazer com que todos os serviços públicos funcionem", escreveu Romário dos Santos.
Reembolso
A Viação Flama informou aos usuários que possuem crédito no Cartão SEU, que comparecessem até 31 de janeiro no posto de atendimento que ela mantém na Rodoviária do Paulínia Shopping, com um documento de identidade, para que solicitem por escrito o reembolso dos créditos não utilizados, que ocorrerá em até cinco dias úteis. O mesmo procedimento deverá ser feito pelas empresas, porém, o representante deverá estar munido de procuração e documento de identidade para solicitar a devolução dos créditos. No entanto, ao longo do dia, mudou o local. Demais informações podem ser obtidas no telefone 2102-3377.
Outro lado
A Assessoria de imprensa da Prefeitura de Paulínia informou que Du Cazellato e o secretário de transportes estão acompanhando toda a situação e que a empresa foi notificada nesta segunda-feira (13) para corrigir os problemas apresentados. Ainda não há prazo para que o valor da passagem - R$ 1 - passe a ser cobrada novamente, segundo a administração.
Segundo a Prefeitura, a empresa vai operar com 52 veículos acessíveis para pessoas com deficiência, percorrendo as 13 linhas existentes com os mesmos itinerários e horários, que eram realizados pela Viação Flama. "Pedimos a compreensão da população nestes primeiros dias. Sabemos que problemas podem ocorrer, mas ressaltamos que a Administração estará acompanhando de perto", disse Antônio Carreira responsável pela Secretaria Municipal de Transportes.
O Correio Popular entrou em contato com a Terra pelos caminhos indicados no site, mas não recebeu retorno.
A Prefeitura de Paulínia contratou a empresa Terra Auto Viação de forma emergencial por R$ 8,5 milhões. O contrato tem validade de seis meses. Enquanto isso, a Prefeitura responde a questionamentos do Tribunal de Contas do Estado (TCE) com relação à licitação lançada ainda na administração anterior.

Escrito por:

Francisco Lima Neto