Publicado 14/02/2020 - 07h51 - Atualizado 14/02/2020 - 07h51

Por Da Agência Anhanguera

Emef Oziel Alves Pereira está entre as 206 que receberão as orientações

Cedoc/RAC

Emef Oziel Alves Pereira está entre as 206 que receberão as orientações

As 206 escolas da Rede Municipal de Educação de Campinas vão receber orientações para saber como lidar com um assunto delicado e que tem preocupado os profissionais da Educação e pais, nos últimos dias - o chamado desafio da rasteira.
A brincadeira é realizada por três participantes que ficam um ao lado do outro, o do meio pula e os outros dois passam uma rasteira. O impacto do tombo, normalmente de costas, levou uma adolescente de 16 anos à morte, em Mossoró-RN. As recomendações são da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN).
A ação preventiva será feita devido aos diversos vídeos que circulam nas redes sociais. Como forma de conscientizar os alunos, os educadores serão orientados a realizar atividades dentro das salas de aula e incentivarão o diálogo entre todas as partes para que os estudantes tenham informações sobre os problemas causados por esta brincadeira e evitem a participação, preservando a integridade física de todos envolvidos seja no ambiente escolar ou em casa.
Segundo o diretor do Departamento Pedagógico, Luiz Mariguetti, todas as 206 unidades da Secretaria Municipal de Educação (SME) serão alertadas sobre os riscos da prática desse jogo. “Vamos pedir aos professores que fiquem atentos aos riscos desta brincadeira”, afirmou o diretor.
De acordo com documento de alerta divulgado pela SBN, a brincadeira de mau gosto provoca uma queda brutal, quando um dos participantes bate a cabeça diretamente no chão antes que possa estender os braços para se proteger. Essa queda, segundo a entidade, pode provocar lesões irreversíveis ao crânio e encéfalo, além de danos à coluna vertebral.

Escrito por:

Da Agência Anhanguera