Publicado 02/02/2020 - 14h07 - Atualizado 02/02/2020 - 14h12

Por Estadão Conteúdo

Visita ao Aquário Municipal de Santos, R$ 8 o ingresso, encanta tanto os adultos como a garotada

Hélvio Romero/EC

Visita ao Aquário Municipal de Santos, R$ 8 o ingresso, encanta tanto os adultos como a garotada

Viver em um lugar tão próximo de São Paulo e seus arredores proporciona algumas vantagens. Além das facilidades no dia a dia, como horários mais estendidos de bares, restaurantes, shoppings, cinemas,casas de shows e espetáculos, além de serviços variados mais disponíveis, pode-se fazer viagens curtas e bacanas. Se você quiser pisar em uvas, mergulhar com tartarugas, fazer trilha em montanhas ou tomar banho de cachoeira, tudo isso está disponível em um bate-volta.
Há programas para crianças, famílias, casais e grupos grandes. Alguns estão a menos de uma hora da capital - é menos tempo do que você passa no trânsito durante a semana.
Com tempo, dá para esticar a estada e dormir nas cidades, mas não é imprescindível. Vale preparar um piquenique para gastar menos - ou garantir o lanchinho durante o deslocamento. Leve roupas extras, especialmente com crianças e nos programas que incluem um banho de rio ou mar.
Sorocaba
Sorocaba pode surpreender quem busca um destino próximo a São Paulo para uma viagem rápida (fica a 100 quilômetros da capital), com uma mistura de cidade grande e clima de interior. É uma ótima ideia para quem viaja com crianças.
Considerado uma referência em preservação da fauna, o Zoológico Municipal Quinzinho de Barros está em uma área de preservação da Mata Atlântica. O valor do ingresso da atração é bem mais barato que o de outros zoológicos: R$ 8. Já no Jardim Botânico de Sorocaba, a estrela é um palácio de cristal. Ele é menor se comparado com o existente em Curitiba - mais conhecido -, mas é parecido. A entrada do lugar é gratuita.
Guararema
A maria-fumaça de Guararema, no Vale do Paraíba, é a grande atração da cidade, a 148km de Campinas. A locomotiva de 1927 percorre os 7 quilômetros do centro da cidade ao distrito de Luís Carlos em cerca de meia hora. A vila foi restaurada e conta com cafeterias, restaurantes e lojas de artesanato. O passeio é curto - o trem fica uma hora em Luís Carlos, tempo para um café e fotos das casas coloridas. Compre o ingresso na internet (R$ 70) para garantir sua passagem.
Perto dali estão o parque-calçadão Recanto do Américo - conhecido como Pau D’Alho, devido a uma árvore com cheiro de alho - e o Parque da Ilha Grande, próximo ao Rio Paraíba do Sul. Rende uma caminhada agradável e a alegria das crianças com animais como gambás e capivaras. Há ainda o mirante no Morro do Gerbásio para ver Guararema e as montanhas da região.
O Parque da Pedra Montada fica a cerca de 8 quilômetros do centro de Guararema, e sua principal atração deixa os turistas curiosos: duas pedras grandes naturalmente sobrepostas e equilibradas. O local tem restaurante, acesso para cadeirantes e uma trilha. O parque está no caminho do centenário Alambique do Décio, onde é possível provar cachaças e licores artesanais.
Outra curiosidade: em Guararema, há a única igreja do Brasil com uma imagem de São Longuinho, o santo das coisas perdidas. A Igreja de Nossa Senhora da Escada fica no caminho para um polo gastronômico à beira do Rio Paraíba do Sul.
Santos
Santos fica a cerca de 180km de Campinas e tem tantas atrações que rende mais de um bate-volta. É possível até passar o dia na cidade sem curtir a praia. Uma sugestão é começar pela linha turística de bondes, cuja viagem de cerca de 40 minutos passa pelas principais atrações do centro histórico. Acompanhado de guia, o passeio (R$ 7) é feito em bondes originais, alguns centenários.
Já o funicular do Monte Serrat leva a 150 metros acima do nível do mar. O trajeto é curto, em torno de 4 minutos. Do alto, é possível ver os prédios históricos e os navios se aproximando do maior porto do Brasil. O ingresso custa R$ 44 por pessoa, mas quem faz outro passeio na cidade paga meia. É só mostrar o bilhete do bonde do centro, do Museu do Café, do Aquário Municipal ou do Museu Pelé. Com isso, sai mais barato visitar mais de uma atração.
Aliás, o Museu do Café é uma boa pedida até para quem não aprecia a bebida. Instalado no prédio da antiga Bolsa Oficial de Café, realiza visitas guiadas. A entrada sai a R$ 10; aos sábados, é gratuita. A cidade tem ainda aquário municipal e orquidário (R$ 8 cada; comprando os dois, custa só R$ 12).
Para fãs de futebol, o Museu Pelé expõe a Bola de Ouro dada ao rei pela Fifa em 2014 e uma réplica da Taça Jules Rimet - a original foi roubada em 1983. O ingresso custa R$10; no domingo, todos pagam R$ 5. Há ainda visita guiada (R$ 40) ao Memorial das Conquistas, incluindo a Vila Belmiro (estádio do Santos) e o gramado.
Santo Antônio dos Pinhais
Localizada na Serra da Mantiqueira, Santo Antônio do Pinhal é uma alternativa para fugir do agito (e dos altos preços) de Campos do Jordão e aproveitar o clima de montanha. Fica a 210km de Campinas e a cerca de 20 quilômetros da vizinha famosa. A principal atração de Santo Antônio do Pinhal é o Pico Agudo, com 1.700 metros de altitude. De lá, é possível ver algumas cidades do Vale do Paraíba e as montanhas da Serra da Mantiqueira. 
Muita gente prefere ver o pôr do sol do Pico Agudo. Os mais corajosos aproveitam o local para saltar de parapente. O acesso ao pico é feito de carro. Parte do trajeto é por estrada de terra - evite visita em dias chuvosos.
A cidade tem outras trilhas e mirantes. Uma trilha calçada de 1 quilômetro começa perto da Igreja Matriz e vai até o Mirante do Cruzeiro. Próximo à estação de trem Eugênio Lefévre, de onde saíam os trens para Campos do Jordão (a operação está temporariamente interrompida), é possível chegar ao Mirante Nossa Senhora Auxiliadora.
Entre as cachoeiras, a do Lageado é uma das mais visitadas. Fica em propriedade particular (R$ 5 a entrada). Dá para fazer piquenique para curtir o dia. Para quem busca lugares tranquilos, o Jardim dos Pinhais Ecco Parque (a R$ 30) tem belas paisagens temáticas e grande variedade de plantas e flores, além de restaurante, lago e redes.
Atibaia
A cerca de uma hora de São Paulo, Atibaia é uma opção de bate-volta bem em conta. A grande atração da cidade, a 64km de Campinas, é a Serra do Itapetinga. Lá está localizada a Pedra Grande de Atibaia, com 1.460 metros de altitude - é mais alta do que o Pão de Açúcar, no Rio de Janeiro, para efeito de comparação.
A vista surpreende quem faz uma das três trilhas de dificuldade média ou chega até o topo de carro. A estrada, de terra, pode exigir muito de carros mais simples por ser íngreme e esburacada, mas a subida não é impossível. Do topo, partem voos de asa-delta e parapente, organizados pelas muitas escolas de voo livre da região.
Quem chega de carro até o alto ainda tem a opção de fazer uma trilha curta e fácil até a Pedra Rachada, no ponto mais alto de todo o Monumento Estadual da Pedra Grande. É de lá do alto que é possível ter a vista da região em 360 graus. Em dias de céu aberto, dá para ver até a represa de Nazaré Paulista. Mas lembre-se de que não há qualquer infraestrutura no topo, ou seja, não há banheiros ou lanchonete. Leve água e lanches.
Na cidade, há também o Parque Edmundo Zanoni, com muita área verde para piqueniques e brinquedos para as crianças. No Lago do Major, perto dali, o visitante consegue embarcar no teleférico (R$ 10 por trajeto) que leva à parte alta da cidade em seu percurso de 550 metros. É possível comprar só a subida e descer de escada.
Juquitiba
Para quem gosta de esportes de aventura e ecoturismo, Juquitiba, localizada a 140km de Campinas, não decepciona. A cidade - cujo nome significa "terra de muitas águas" em tupi - fica na Área de Proteção Ambiental da Serra do Mar (APA), uma das maiores reservas da Mata Atlântica. Essa região apresenta uma série de rios e nascentes, além de cachoeiras para serem visitadas.
 
O rafting no Rio Juquiá tem corredeiras mais tranquilas, o que facilita o programa para quem tem crianças a partir dos 6 anos e até mesmo para quem não sabe nadar. Por pessoa, a descida no rio custa de R$ 110 a R$ 120. O passeio tem a duração de cerca de duas horas e meia.
Na região são realizadas ainda outras atividades, como passeio de caiaque, arvorismo, tirolesa e stand up paddle. Em algumas agências, é possível optar pelo day-use para aproveitar melhor todas as opções. Na operadora Rio Abaixo, o day-use sem o rafting (R$ 49,90) dá opção de curtir caiaque, stand up paddle, slackline e a mega rampa, um tobogã com a descida até um lago. Na Canoar, quem faz o passeio de rafting pode aproveitar a estrutura da propriedade com quadras e restaurante para passar o restante do dia.
Ainda que a viagem seja rápida, é bom levar uma pequena bagagem, com troca de roupas e calçados, toalhas, protetor solar e repelente.
 

Escrito por:

Estadão Conteúdo