Publicado 26/07/2020 - 10h27 - Atualizado // - h

Por Eduardo Martins/Especial para a Metrópole

As marmitas saudáveis se tornaram tendência na quarentena

Divulgação

As marmitas saudáveis se tornaram tendência na quarentena

A quarentena provocada pela pandemia da Covid-19 mudou a vida das pessoas e a atividade física na academia saiu da agenda. Em meio às atividades do dia a dia e o trabalho por home office, a busca pela boa alimentação consolidou uma tendência que já estava no horizonte: as marmitas saudáveis congeladas cuja procura disparou no período de isolamento social.
Pessoas que moram sozinhas, ou até famílias com crianças e adolescentes em casa, encontraram nas refeições fitness a praticidade e uma opção de comer bem e estar em dia com a saúde. Influencer digital, Gabrielle Cintra tem rotina corrida e gosta da praticidade das marmitas.

A jornalista conta que antes da quarentena já havia tentado seguir uma alimentação saudável e não obteve êxito, mas agora ela colocou isso como meta e os resultados estão sendo positivos. “A alimentação saudável é o meu principal objetivo. Costumo comer muito fast food e queria fugir um pouco disso. Tendo as marmitas em casa, consigo me conter”, destaca a jovem de 28 anos, fã das refeições vegetarianas da Beleaf.

Jônatas Mesquita, diretor de marketing e um dos fundadores da startup que vende refeições vegetarianas e veganas pela internet, lembra que a quarentena trouxe um aumento significativo nas vendas de marmitas e comemora os bons resultados.

“Bem no comecinho da pandemia o aumento das vendas foi de 250%. Foi um grande crescimento pelo fato de as pessoas perderem a opção de comer em restaurante do dia para a noite. Aí elas cozinham, ou pedem comida. Nos beneficiamos na questão de pedir comida”, ressalta.

O empresário explica que o principal desafio da startup é agradar todos os públicos, inclusive os fãs de carnes, e destaca que o objetivo é montar pratos saborosos com ingredientes vegetais. “Não temos opções com carnes, nem derivados de carne, mas isso faz com que a gente precise ser muito mais criativo e científico quando testamos o prato. Não podemos fazer o cliente sentir falta de alguma coisa. Temos que fazer pratos que atendem qualquer tipo de pessoa”, enfatiza.

Novo hábito
Verônica Matos, de 37 anos, é mãe, empresária e o tempo para preparar comida é curto na sua rotina atribulada. Em função disso, ela começou uma dieta regrada com comida saudável, diminuiu o consumo de carne nas suas refeições e acrescentou o hábito de se alimentar com marmitas vegetarianas.

“Por ser uma mãe empresária com uma vida bem corrida, tenho muita dificuldade de comer de forma correta no tempo curto que tenho. Consumo marmitas com muita frequência, amo comida saudável e uma série de outros produtos como pães e sobremesas saudáveis. Já faço isso há bastante tempo”, salienta.

Assim como a empresária, Thiago Galan, de 28 anos, também tem pouco tempo durante sua semana de trabalho. O executivo de vendas mora sozinho, tem pouca experiência na cozinha e encontrou nas marmitas fitness a alternativa para se alimentar bem e evitar produtos industrializados.
“Foi uma necessidade. Precisava comer e comer bem. Então a facilidade de ter um cardápio variado toda semana, entrega em casa, além de preparo e manuseio fácil, ajudaram muito. Foi uma necessidade que virou hábito, que virou rotina, mas uma rotina saudável”, comemora.

 
Praticante de esportes, Fernando Tulio optou pelo consumo de marmitas saudáveis há pelo menos cinco anos e não se arrepende. Segundo o professor de 57 anos, as refeições garantem uma alimentação adequada, atendem suas necessidades na realização das atividades físicas e ainda ajudam na sua saúde.

“As marmitas juntam o útil ao agradável. Não adianta ser agradável, se não for útil. Tem que ter um equilíbrio, mas o sabor também é muito importante. As marmitas têm variedade de carne, frango, legumes e se torna leve e prazeroso. Além disso, coloco no micro-ondas e, em quatro minutos, já está pronto”, explica o fã das refeições da Marmitaria Fitness Campinas.
Sócia-proprietária da marmitaria, Gabriella Ribeiro conta que o estabelecimento oferece pacotes de refeições em duas linhas, Low Carb e Saudável. A primeira, conta com proteínas e legumes, enquanto na segunda é acrescentado o arroz integral além dos dois ingredientes citados acima.

“Toda semana mudamos o cardápio do pacote e não corremos o risco de o cliente enjoar. Pessoas compram para a semana, outras para 15 dias, ou até para o mês todo. Nosso tempero é caseiro, focamos mais na linha tradicional com carne, mas também temos outra marca com as opções vegetarianas e veganas”, pontua Gabriella.

Segundo a proprietária do estabelecimento, as vendas de marmitas dobraram durante a quarentena. Antes da pandemia, a média era de quatro mil refeições vendidas por mês e agora chega até 7.500 marmitas. Além disso, as sopas mantiveram padrão mensal de 1.500 unidades, os salgados, cerca de 500 unidades, e as panquecas proteicas, mil unidades.

Refeições sob encomenda
Há três anos, Patrícia Matos começou a produzir marmitas saudáveis para consumo próprio e logo viu nisso uma oportunidade de montar seu próprio negócio. Diante do irresistível sabor e o sucesso com as amigas da academia, a microempreendedora começou a montar as refeições congeladas na sua própria casa e hoje seu faturamento vem das vendas de marmitas.
“Faço marmitas saudáveis com um carboidrato, uma proteína e dois tipos de vegetais. Mando o cardápio pelo WhatsApp, tenho um peso padrão para cada refeição, mas também faço personalizado conforme o cliente pede. Não trabalho com estoque, somente encomenda e o cliente pode deixar a marmita congelada por até três meses”, explica.

A cozinheira destaca que as vendas aumentaram na quarentena e lembra que, em breve, vai montar uma cozinha industrial para expandir o negócio. “Aumentou muito as vendas. Antes fazia em média 150 marmitas por semana e agora faço cerca de 200. Atualmente moro em apartamento, mas estou até mudando para uma casa para montar uma cozinha industrial”, finaliza.

Escrito por:

Eduardo Martins/Especial para a Metrópole