Publicado 15/09/2020 - 07h36 - Atualizado 15/09/2020 - 07h38

Por Daniel de Camargo

Em setembro, a quantidade de decolagens diárias da Azul subiu para 400, equivalente a 45% do total realizado antes da pandemia.

Cedoc/RAC

Em setembro, a quantidade de decolagens diárias da Azul subiu para 400, equivalente a 45% do total realizado antes da pandemia.

Depois de ver o faturamento médio mensal de R$ 1 bilhão cair 95% em abril, e ter demitido cerca de 2,5 mil funcionários, a Azul Linhas Aéreas está focada em intensificar a retomada de suas operações com gradativas ampliações na oferta de voos e recontratação de pessoal. A afirmação é do presidente da companhia, o norte-americano John Rodgerson.
Apesar de classificar os prejuízos em decorrência da pandemia da Covid-19 como “brutais”, o executivo afirmou que, como toda crise, essa também vai passar. Frisou que o restabelecimento mais efetivo do fluxo operacional foi iniciado no mês passado e deve seguir uma crescente. Em abril, a companhia operou apenas 70 voos por dia. Em agosto, 303, alcançando elevação de 209% em relação a abril. Neste mês, a quantidade de decolagens diárias subiu para 400, equivalente a 45% das aproximadamente 900 realizadas antes da pandemia. Para outubro, a expectativa é fazer 505 em dias de pico.
A Azul anunciou ontem que o Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas, maior e principal centro de conexões da empresa no Brasil, atingiu 91 voos diários neste mês. Houve aumento de oferta para mais de 20 destinos, estabelecendo ligação direta com 44 cidades do País, além de dois destinos internacionais. Para ele, as pessoas precisam voltar a trabalhar, independentemente da descoberta ou não de uma vacina. Garante que as que necessitarem viajar para tal, podem fazê-lo com segurança. E, também aquelas que desejam visitar parentes ou conhecer novas localidades.
Garante que aeronaves são formas seguras de se deslocar e que todas as medidas sanitárias necessárias para evitar a propagação da doença foram adotadas. Desde o início da pandemia, revela que houve apenas 200 casos confirmados entre os colaboradores da Azul, sendo que nenhum evoluiu para óbito. Atualmente, a companhia emprega em torno de 13 mil profissionais.
Mais voos
Desde ontem, cinco capitais do País ganharam mais voos diários partindo de Campinas: Vitória (ES), Campo Grande (MS), Porto Alegre (RS), Maceió (AL) e Rio de Janeiro (RJ). A ponte aérea Viracopos-Santos Dumont passará a ter seis operações, cumpridas com as aeronaves Embraer E1, com capacidade para até 118 passageiros, e Airbus A320, para até 174.
As cidades do interior de São Paulo – Ribeirão Preto, Presidente Prudente e São José do Rio Preto – terão incrementos de assentos também a partir deste mês, assim como Joinville (SC), Maringá e Londrina - ambas no Paraná -, Uberlândia (MG) e Petrolina (PE). Já Rio Verde (GO) e Cascavel (PR) tiveram as bases reabertas ontem, tendo ligação direta com Viracopos. Os novos voos já estão sendo comercializados em todos os canais oficiais da Azul.

Escrito por:

Daniel de Camargo