Publicado 21/11/2020 - 10h30 - Atualizado // - h

Por Gilson Rei

O Hospital da PUC-Campinas iniciou ontem a aplicação da vacina da Janssen em voluntários maiores de 60 anos

Wagner Souza/AAN

O Hospital da PUC-Campinas iniciou ontem a aplicação da vacina da Janssen em voluntários maiores de 60 anos

Danilo Villagelin, diretor do Centro de Pesquisa Clínica, explicou que um monitoramento permanente será feito com os voluntários pela equipe médica da pesquisa no hospital durante dois anos. Os resultados podem ocorrer antes deste prazo e a vacina ser considerada apta para imunização até o final do ano. “Vai depender dos resultados. No Brasil e no restante do mundo, os testes são positivos, houve sintomas leves ocorridos com alguns voluntários no período máximo de um dia”, explicou.
Os testes com a vacina denominada Ad26.COV2.S tiveram início no hospital no dia 5 de novembro. As pesquisas com a vacina desenvolvida pela Janssen foram autorizados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no dia 18 de agosto e aprovadas pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep), órgão vinculado ao Ministério da Saúde.
Segundo Villagelin, a meta é totalizar mil pessoas testadas na cidade. No Brasil, deverão participar 7 mil pessoas de todas as faixas etárias, a partir dos 18 anos. No mundo serão 60 mil voluntários, incluindo países da Europa, África e América Latina.
O recrutamento das pessoas é voluntário e pode ser feito por meio do formulário disponibilizado no portal do próprio hospital. "A expectativa é de aplicar mil doses e vacinar 30 pessoas por dia durante dois meses, sendo uma parte do lote disponibilizada aos profissionais de saúde, alunos e colaboradores da Instituição", afirmou Villagelin.
Os participantes devem ter idade mínima de 18 anos e podem ter tido Covid-19 ou não. Todos receberão dose única da vacina ou um placebo (substância inativa). Segundo Villagelin, a determinação de quem recebe a vacina ou o placebo será feita de forma aleatória (randomizada).
O Centro de Pesquisa do Hospital PUC-Campinas possui quase 30 estudos, dos quais sete são sobre o novo coronavírus. Deste total, cinco já estão em andamento. "Temos a missão de prestar atendimento de qualidade na área de saúde e contribuir para a promoção do conhecimento e da ciência", comentou Villagelin, diretor do centro de pesquisa.
Além desta vacina da Janssen, existem outras três sendo testadas em última fase (a terceira) no Brasil aprovadas pela Anvisa: a de Oxford (inglesa); a da Sinovac Coronavac (chinesa); e a vacina da BioNTech/Pfizer (alemã/norte-americana).
Pfizer pede autorização aos EUA
A Pfizer e a BioNTech solicitaram ontem autorização de uso emergencial para sua vacina contra o novo coronavírus ao Food and Drug Administration (FDA, na sigla em inglês), órgão regulador norte-americano. Esta é a primeira vacina contra Covid-19 a buscar aprovação regulatória nos Estados Unidos. As empresas disseram em um comunicado que sua vacina, conhecida como BNT162b2, estará potencialmente disponível para uso em populações de alto risco nos Estados Unidos até o final de dezembro. 

Escrito por:

Gilson Rei