Publicado 07/04/2021 - 19h05 - Atualizado 07/04/2021 - 19h05

Por Lucas Rossafa/ Correio Popular

Segundo Abreu, a atualização do protocolo, com a adoção de medidas mais rígidas, foi fundamental

Diego Almeida/ Ponte Press

Segundo Abreu, a atualização do protocolo, com a adoção de medidas mais rígidas, foi fundamental

Passadas quase quatro semanas sem compromisso oficial no Campeonato Paulista, a Ponte Preta zerou os casos positivos de Covid-19 entre jogadores, membros da comissão técnica, diretoria e funcionários.
Depois do surto que atingiu todas as esferas do Moisés Lucarelli, a Macaca reforçou o protocolo sanitário no combate ao novo coronavírus e tem aproveitado o período sem partidas para aprimorar o condicionamento físico dos atletas recém-contaminados.
Na visão de Felipe Abreu, coordenador médico do time campineiro, o endurecimento das medidas restritivas, a redução de pessoas nas atividades no CT do Jardim Eulina e a testagem semanal mais frequente foram fatores decisivos para controlar o caos epidemiológico.
"Obviamente, essa atualização do protocolo, com a adoção de medidas mais rígidas, foi fundamental. É claro que também todos os casos têm que ser isolados, sejam sintomáticos ou qualquer pessoa com diagnóstico de Covid. Essas duas medidas são fundamentais para o controle", celebrou, em coletiva de imprensa.
"O protocolo e todas essas medidas adotadas recentemente com maior rigidez foram elaboradas em função de todo o cenário da pandemia, não só no futebol, mas no Brasil inteiro. É um documento que todas as pessoas envolvidas têm responsabilidade. Foi feito pelo corpo técnico dos médicos dos clubes, junto com o Comitê Médico da Federação. Cumprir esse protocolo é uma responsabilidade do clube inteiro e de todas as pessoas envolvidas", assegurou.
Abreu, contudo, garantiu ser impossível precisar uma data de retorno do Paulistão a curto prazo, haja vista a prorrogação da fase emergencial no estado de São Paulo, pelo menos, até 11 de abril.
"Eu acredito que todas essas adequações que foram feitas no protocolo dão mais credibilidade e tornam mais viável e mais seguro o retorno da prática do futebol. Isso é uma pergunta que ninguém consegue responder. A gente depende mesmo das análises de todos os dados aí, junto à Secretaria de Saúde e de todos os órgãos para levar ao Ministério Público. O Ministério Público é que realmente vai dar o aval para nós", explicou.
[INTERTITULO]CEPAS E VIAGENS
[/INTERTITULO]Abreu, principal responsável pelo Departamento Médico da Ponte Preta, revelou dificuldades para entendimento das novas variantes em circulação no Brasil.
"Esse ponto realmente aí tem sido motivo de debate entre Departamento Médico, Departamento de Fisiologia e de preparação física. É um ponto que realmente chamou atenção nesse ano. A doença está aqui há um ano e meio, mas, mesmo assim, a gente ainda não sabe totalmente sobre ela. É um ponto que a gente está observando e realmente está tomando os cuidados aí em relação a esses atletas", opinou.
O médico, contudo, também atrelou a não contaminação dos profissionais da Macaca com a paralisação das viagens para fora de Campinas.
O surto ganhou proporções quase incontroláveis a partir dos jogos em Luziânia (Gama) e Ribeirão Preto (Botafogo-SP) na primeira quinzena de março, incluindo transporte de ônibus e avião no intervalo de cinco dias.
"Eu acredito que isso se deve à nossa adoção de medidas mais rígidas e à atualização dos protocolos de segurança dentro do clube. Obviamente, quanto menos você se aglomera, seja numa viagem ou seja fora daqui, diminui a chance de transmissão. Eu acho que esses três pontos todos são muito importantes para diminuir a incidência de novos casos", afirmou.
Por fim, Felipe comentou a respeito de estudo divulgado pela Universidade de São Paulo, o qual revela que a incidência de Covid-19 no futebol paulista na temporada de 2020 (11,7%) equivale ao de um profissional de saúde que atua na linha de frente.
"Eu tive conhecimento através da mídia. Acredito que é um estudo que ainda não foi divulgado em nenhuma revista científica.

Escrito por:

Lucas Rossafa/ Correio Popular