tamanho da letra: A-| A+

16/05/2013 16:21:34.000
GRIPE AVIÁRIA NO FUTEBOL PAULISTA

O Palmeiras caiu por causa de um Frango; O São Paulo caiu por causa de um Galo e de um Ganso; O Corinthians caiu por causa de um Pato; e o Guarana caiu... bem, deixa isso pra lá.

 

 

enviada por: Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

03/04/2013 19:21:36.000
POR FORÇA DO OFÍCIO; QUE AS BESTAS ESTÃO MUITO SALIENTES

A liberdade e a santa hipocrisia

 


Escrevo esta crônica no dia cristão mais triste do ano: a sexta-feira santa. Agnósticos, como eu, sabemos que a intolerância é a maior inimiga da liberdade; e que Cristo ainda segue sendo o seu maior representante. Cristo não foi morto por sua pregação, mas pela intolerância daqueles que não acreditavam em suas palavras. E a crônica do seu calvário bem está contada no Novo Testamento, onde lemos que um grupo de bandidos se infiltrou no seio do povo para insuflá-lo contra Cristo e pedir clemência a Barrabás, em um julgamento injusto comandado por Pilatos que, covardemente, lavou as mãos e transferiu a responsabilidade para uma horda de bandidos e intolerantes populares religiosos.

Passados mais de dois mil anos, ainda assistimos no Brasil movimentos organizados contra a presença de crucifixos em prédios públicos e notadamente em tribunais, como se tal símbolo fosse algo tão nocivo quanto uma suástica, o símbolo nazista. Intolerantes são por demais ignorantes e devemos sempre ensiná-los que o crucifixo nos tribunais representa a injustiça e a intolerância cometidas contra um inocente e não a fé dessa ou daquela autoridade judiciária. E intolerantes organizados em partidos políticos são os mais perigosos, pois agridem seus críticos se escondendo no anonimato das massas ou sob o sagrado manto do politicamente correto, esse cancro metafórico nascido das carnes putrefatas do defunto comunismo, que bem pretende exterminar os direitos individuais por deveres que beneficiem o coletivo. Estelionato ideológico, vigarice intelectual, escolha aí o raro leitor como devemos chamar os intolerantes que não suportam pessoas que defendem a vida dos fetos contra os aborteiros, que não querem a liberação das drogas ou mesmo o casamento gay.

Veja o raro leitor o movimento dos intolerantes contra o deputado Marco Feliciano. Eleito com 212 mil votos, foi também eleito pelos seus pares para presidir a Comissão dos Direitos Humanos e Minorias da Câmara e agora sofre pressão organizada para renunciar a um direito conseguido legalmente. Alegam os intolerantes que Marco Feliciano é racista e homofóbico; ninguém leva em consideração que ele é filho de uma negra, enteado de um negro e ele mesmo um negro, segundo o politicamente correto de ongs que defendem direitos de afrodescendentes, para usar um termo da moda. Quanto à homofobia, o deputado Marco Feliciano é pastor de um igreja evangélica que não permite casamento entre homossexuais, assim como a igreja católica. Não tenho nada contra o casamento homossexual, tampouco que casais gays adotem crianças, mas não posso aceitar que um bando de fascistas travestidos de democráticos agentes do politicamente correto queiram calar a voz de um deputado legalmente eleito e, o que é pior, obrigá-lo a renunciar a um direito conquistado.

Caetano Veloso, Chico Buarque, Wagner Moura, Fernanda Montenegro e tantos outros renomados artistas populares também querem a renúncia do deputado Marco Feliciano da Comissão dos Direitos Humanos. Todos devem ter esquecido os anos de chumbo que vieram com a intolerância ideológica de um grupo de militares que fez o país mergulhar em trevosos 21 anos de ditadura militar. Mas o asqueroso disso tudo é que eles nada falam contra deputados petistas que ocupam cargos na Comissão de Justiça da Câmara, José Genoíno e João Carlos Cunha, ambos condenados pelo STF por peculato, corrupção ativa, corrupção passiva, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Pelo visto, tais artistas esqueceram tudo e não aprenderam nada sobre o que vem a ser a democracia e o estado de direito. Santa hipocrisia.

Bom dia.

 

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(2) | envie esta mensagem | link do post

04/03/2013 19:55:52.000
OS DEUSES PERVERTEM AS IDEIAS DOS SANTOS E JUSTOS. OU LULA NÃOM É NADA DISSO?

A ideofrenia e a esperteza

Lula, há poucos meses do fim do seu mandato presidencial, afirmou ao distinto público que iria passar o tempo assando coelhos e jogando conversa fora em botecos de São Bernardo. Democratas e estudiosos da língua portuguesa respiraram aliviados. Em vão, é claro. E a lógica voltou aos porões do país, assim como os cães fazem quando pressentem um temporal. E já faz um bom tempo que chove no país...
Dias atrás, Lula assoviou e a matilha petista correu para lamber-lhe a mão e ganhar alguns ossos pelos 33 anos anos de fundação do PT – e nada pelos 10 anos de poder federal, estes repartidos entre aliados de partidos fisiológicos, empreiteiras e dóceis empresários, pródigo em fartas verbas federais, contratos superfaturados e generosos empréstimos via BNDS.
Dilma já não governa mais; Lula decretou o início das eleições de 2014. E começou apresentando uma cartilha onde descreve tudo o que o seu governo fez e que os outros não fizeram. Por exemplo, como dissera a presidente Dilma Rousseff, dias antes do aniversário petista, que “mais de 2,5 milhões de brasileiras e brasileiros estão deixando a extrema pobreza”. Segundo o lulo-dilmismo, eram os últimos miseráveis cadastrados pelo governo federal e que agora deixam de ser indigentes porque passaram a receber a estupenda quantia de R$ 71,00 por mês. E assim a lógica treme debaixo da cama, pois quem tem apenas R$ 70,00 para gastar no mês continua miserável. Um real e o indigente vira um digno pobre.
Grande sacada, não é mesmo? Basta a Secretaria de Assuntos Estratégicos acrescentar um real per capita para a pirâmide social diminuir a sua base e, por favor, senhoras e senhores, todos esses malabaristas de semáforo, pedintes urbanos e vendedores de balas são apenas artistas do grande circo petista que estão aí para nos distrair enquanto o sinal não abre.
Ainda segundo o governo petista, a pobreza só existe para quem ganha de R$ 71,00 até R$ 250,00. Já classe média é o que fatura R$ 850,00 mensais. A partir disso, segundo o petismo decretou, todo mundo é rico. Inclusive a velhinha que faz ponto na esquina da Sacramento com a Orozimbo Maia que, certa feita, me contou que faturava até R$ 60,00 em uma única manhã.
E segue o PT governando o país pelo espelho retrovisor freudiano, com Lula mandando o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso “ficar quieto para ajudar a Dilma a governar o país”. Nem parece o Lula que criticou os programas sociais do então presidente FHC chamando-os de “esmolas”, os mesmos aliás que ele agruparia e rebatizaria de “bolsa família”. E como esquecer Lula vociferando contra o Plano Real e xingando Sarney, Collor e Maluf de ladrões? Atualmente, Sarney, Collor e Maluf são os maiores aliados políticos do governo petista.
Lula já se comparou a Cristo; e na última quarta-feira disse que “agora estou lendo muito”, o que levou a plateia a gargalhar, explicitando que se tratava de um livro sobre a vida de Abraham Lincoln, mas sem dizer qual exatamente. Queixou-se Lula que ele apanha da imprensa brasileira como Lincoln apanhava no tempo dele. Lula é Cristo e agora virou o Lincoln tupiniquim. Mas continuara a fugir metaforicamente da cruz e dos teatros. O cara é um ideofrênico, sem dúvida. E muito esperto.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(3) | envie esta mensagem | link do post

05/02/2013 17:34:43.000
MACONHA FINANCIA O NARCOTRÁFICO

Uma prosa da boa

Eu não fumo maconha e nem cheiro cocaína. Nem beber bebo mais. Enjoei, perdi o prazer, sei lá.
Tem pessoas que acham que o álcool é mais nocivo que a maconha e com isso acham que o governo deveria descriminalizar o consumo da erva mardita. Do alto da pipa de 12.775 litros de álcool que esvaziei em trinta e cinco anos de boêmia - fiz um cálculo aproximado - digo que isso, de comparar pinga com maconha, é de uma estupidez atroz. Mesmo porque a pinga, ou qualquer outra bebida, a gente compra em estabelecimento legalizado, paga os impostos, sustenta o emprego de milhares de trabalhadores e, em caso de excesso, a dita ressaca corre por nossa própria conta e risco. Já a maconha, ou qualquer outra droga ilícita, é vendida por traficantes e acho óbvio dizer aqui que o consumidor da erva mardita não leva em conta que o seu vício está pondo uma pistola de 9mm nas mãos de um garoto, o mesmo que irá tirar a vida de um outro garoto da gang rival ou de algum inocente alvejado por uma bala perdida. Tenho outros exemplos, mas quem quiser que enumere os seus. Ou que se mude para a Holanda.
Tem pesquisas que indicam que o consumo de maconha cresceu entre os jovens brasileiros; e outras que o álcool cresceu também na mesma proporção. E aí ficam os ditos especialistas em drogas discutindo se se libera ou não. A ninguém ocorre, no entanto, analisar que o consumo está ligado ao aumento da população. Portanto, não ligo para pesquisas e prefiro acreditar mais no que os meus olhos vêem, todos os dias, em qualquer canto da cidade: mais jovens nas ruas e, portanto, mais consumidores de drogas, pinga, tênis, celulares, hambúrgueres; e, sobretudo, desempregados em sua maioria.
Já fui a favor da liberação das drogas. Ou de pelo menos se discutir isso a sério. Claro que droga permanecerá droga e com isso todos os perigos de quem as consumir, coisa que os drogados sabem de cor e salteado. Ninguém sabe ao certo se haverá maior consumo de drogas por conta da liberação. O que eu sei é que o narcotráfico é pior do que tratar de um bando de drogados. Mas antes é preciso saber se as Farc, Fernandinho Beira-Mar e o Congresso aceitam discutir isso.
Bom dia.


 

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(3) | envie esta mensagem | link do post

04/01/2013 17:04:37.000
A CASA DA VERGONHA; OU A CASA DA MÃE JOANA

Criminosos fazendo leis

Eleito suplente nas eleições de 2010 com 92.610 votos, José Genoíno tomou posse da vaga do ex-deputado Carlinhos Almeida, novo prefeito de São José dos Campos, na Câmara Federal. Tudo seria perfeitamente normal caso Genoíno não fosse o que é: um quadrilheiro condenado a 6 anos e 11 meses por corrupção ativa e formação de quadrilha. É aquele velha história: é legal, porém imoral. Mas tal vergonha é o mais do mesmo. Na verdade, a Câmara Federal mais parece uma toca onde muitos corruptos e picaretas se homiziam em busca de proteção parlamentar, a tal imunidade que a Casa confere a seus pares. José Genoíno, portanto, é mais um a nos envergonhar diante do mundo democrático, ao lado de outros companheiros de quadrilha: os deputados João Paulo Cunha (PT-SP), Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), todos igualmente condenados pelo Supremo Tribunal Federal. Mas além desses criminosos, a Câmara também abriga dois novos deputados que respondem pela prática de trabalho escravo, Camilo Cola (PMDB-ES) e Urzeni Rocha (PSDB-RR), enquanto Weverton Rocha (PDT-MA) assume o mandato acusado pelo Ministério Público do Maranhão de irregularidades na execução do Programa Projovem Urbano e suspeito de integrar um esquema de cobrança de propinas de ongs no Ministério do Trabalho e Emprego. Lula um dia calculou em 300 picaretas o número de deputados da Câmara Federal. Nenhum deputado o processou por calúnia e difamação. Pelo visto, vestiram a carapuça e se deixaram cooptar pelo governo petista naquele escândalo que foi apelidado de o mensalão.
Veremos agora como se comporta a oposição que deverá chamar de “excelência” corruptos condenados. Pois é. Além da jabuticaba, que só dá no Brasil, temos agora deputados que violaram a lei... com a prerrogativa de fazer novas leis. Com a palavra, os poucos deputados honestos da Casa. Veremos o que têm a dizer.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(1) | envie esta mensagem | link do post

27/12/2012 20:25:20.000
CHAMEM O LULA! CHAMEM O GILBERTO CARVALHO! OU PEÇAM O BONÉ

Bandeira branca não descora

 

Fim de ano, pé no freio, estou arrumando as malas e só volto quando o carnaval chegar. Quero agradecer aos raros leitores que vêm me acompanhando por aqui, e que eles saibam que esta nossa casa sempre estará aberta a todos. E aproveito para dizer que esta mesma porta está- e sempre estará fechada – para alguns petistas que se acham o dono da cocada preta, que não entendem o contraditório, que não suportam crítica, e, portanto, de ninguém que os tolera por princípio republicano.
Tenho alguns poucos amigos petistas que respeito porque são exceções da regra do petismo que, via de regra, tem como heróis corruptos condenados pelo STF. Até entendo que esses amigos petistas ainda acreditam ser possível recuperar a moral política que inspirou a criação do partido, mas, sinceramente, bem eles fariam para alcançar tal objetivo se começassem a preparar a expulsão de seus militantes já condenados por corrupção ativa, peculato e formação de quadrilha. E melhor contribuiriam para a democracia – e para o PT - se exigissem do ex-presidente Lula explicações sobre o que o motivou a nomear sua amiga íntima, Rose Noronha, para chefiar o gabinete presidencial de São Paulo (que ele criou para ela), recentemente acusada pela Polícia Federal de fazer parte de uma quadrilha que traficava influências para adquirir pareceres técnicos fajutos que beneficiavam íntimos empresários apoiadores dos interesses políticos petistas.
Dez anos de poder petista e o Produto Interno do Brasil está mais baixo do que umbigo de cobra. Se bem que covarde para citar nomes, Gilberto Carvalho, o ministro que está no governo Dilma emprestando olhos e ouvidos a Lula, até parece sincero quando diz que “é muito doloroso para nós vermos companheiros nossos que foram enriquecendo ao longos desses anos”. Nem Marco Valério foi tão delator assim, embora corajoso para acusar Lula de prevaricação funcional, pois bem sabia, segundo ele, do esquema do mensalão. Quem são os petistas que enriqueceram? Os meus bons amigos petistas bem que poderiam convocar Gilberto Carvalho para também dar nomes aos bois, não é mesmo?
Saio de férias e posso voltar a qualquer momento. Ou por conta de um grave assunto ou simplesmente para contar o que é ter uma boa preguiça, um canto para ler, um violão para tocar, ou uma companheira para amar. Acredite, raro leitor: o petismo é uma das coisas que menos me importam. Na verdade, me preocupo mesmo é com a saúde ideológica dos amigos petistas que ainda acreditam em velhas bandeiras. A minha, sempre digo a eles, não quer cor para não descorar.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(1) | envie esta mensagem | link do post

21/12/2012 21:16:51.000
A FÉ; NEM TANTO AO MAR; NEM TANTO À TERRA

Memórias natalinas

 

Em algum lugar da minha memória, coisa de vinte e poucos anos, tive uma festa natalina em uma casa de pescador, lá pelas praias da Barra do Ceará. Ficava num subúrbio praieiro de Fortaleza. Eu me encontrava perdido em meus sonhos brasileiros, tentando achar um canto para apoiar a rede, a pequena mala e o meu violão. E assim busquei o que deveria e achei o que era de meu direito. Nem mais nem menos. Apenas um direito.
Era um pequeno casebre de alpendre restrito a uma rede, uma saleta nua de móveis, embora forrada de um tapete de cordas, e um quartinho onde jamais adormeci pelo calor que continha guardando o sol da tarde. Mas tinha um alpendre e uma rede de casal... e uma brisa de Atlântico mar.
As noites chegavam cedo e todo o sol cearense me acordava aos primeiros minutos da aurora. A senhora do Antônio, o herdeiro do mais velho pescador da Barra, meu senhorio, já estava com a mesa pronta do café, inhame e broa. E por muitos meses andei a ficar por ali, ao lado de pessoas que dariam a própria vida para salvar Cristo. E assim rezei com eles, quase em fé, ajoelhado na macia areia, enquanto o sol já se achava espantado às costas da ilha. E foram tantas as noites de cantorias e festas e de promessas que jamais seriam esquecidas...
Mas a minha alma naufragou em um mar imenso de saudade e, certa manhã, disse a Antônio que voltaria pra casa. E embrulhei minhas poucas coisas, bermudas, sandálias, camisetas, um pedaço de sabão-da-costa e nada mais. A despedida foi longa e caminhei por quase meia hora pela orla da Barra, onde peguei um barco e voltei ao continente. E a farra foi tão boa que engordei mais de vinte quilos, os mesmos que até hoje carrego; vinte quilos de saudade e remorso pela promessa da volta, até hoje não cumprida.
Minha saudade já cumpriu maioridade, três décadas e tanto. E fico imaginando como estará o filho ou a filha do Antônio e sua senhora, emprenhada naquele natal. Ela me dizia que, viesse homem o filho se chamaria Jesus, caso menina, Maria.
Por esses tempos natalinos, sempre quando vejo um presépio me dá um nó no gargomilo. Saudade de um presépio cearense feito de carne, osso, areia e mar, muito mar...
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(2) | envie esta mensagem | link do post

20/12/2012 21:07:03.000
CRONICANDO

Só depois do fim do mundo

 


Um dos muitos calendários que os maias escreveram, o da contagem longa fez a cabeça de alguns ripongos (sim, ainda existem) que afirmam que amanhã, sexta-feira, 21 de dezembro, o mundo vai acabar. Ou, como diria meu saudoso avô Guilherme: vai pro brejo.

Se ouviremos trombetas angelicais anunciando o Juízo Final, como consta no bíblico Apocalipse, não sei. Mas para quem andou, nos últimos anos, pelas ruas natalinas da cidade deve ter visto vistosos e iluminados anjos soando uma delas... apocalíptica! O que anjos apocalípticos estavam fazendo em tempos natalinos só puderam ser explicados quando a Gaeco destronou a então primeira-dama Rosely Nassim Jorge Santos do cargo de chefe da quadrilha, segundo a acusação, que vinha dilapidando os cofres da Sanasa. Francisco de Lagos, aquele que se achava um semi-deus, eterno responsável pelas cenografias natalinas, por linhas tortas estava a dizer o que torto estava: os anjos anunciavam o fim do respeito às leis republicanas na nossa cidade. Ele estava errado, é claro, visto ser o primeiro a fugir das algemas.

Foram anos e anos insistindo nisso que, ontem, passando no largo da Catedral vi novos e azulados anjos soando suas apocalípticas trombetas. Os fiéis bem poderiam protestar, não é mesmo?, visto que o único anjo que temos no evento natalino é o que anunciou a Maria sua gravidez divinal: sem trombeta; ou, sem trocadilho, na surdina.

Resta saber se os anjos trombeteiros seguem agora, por conta própria, anunciando o fim das maracutaias nacionais. Os maias, pelo visto, eram mais radicais: o fim do mundo vai ser dia tal e não se fala mais nisso.

Muito fácil resolver maracutaias desse jeito. Até parece que seus profetas encarnaram nos nossos políticos que, via de regra, apresentam soluções simples – e erradas – para problemas complexos.

Eis aí a questão dos royalties do pré-sal. Lula, quando presidente, e Dilma, quando ministra das Minas e Energias, foram empurrando o assunto com a barriga, pois não tinham – e ainda não têm – nenhum projeto a respeito além do de se manter no poder. Nada fizeram e agora os governantes dos estados não-produtores de petróleo querem entrar na partilha, o que contraria o direito adquirido dos estados produtores, como o Rio de Janeiro e Espírito Santo – cujos orçamentos, sempre é bom lembrar, contam com esses aportes. E como tudo o que começa errado sempre segue errado, o ministro Luiz Fux, do STF, interferiu nas prerrogativas do Legislativo, impedindo-o de decidir sobre os vetos presidenciais – no que está sendo aplaudido pela maioria dos parlamentares que representam os estados não-produtores – enquanto o mesmo Legislativo está contra o STF que, por 5x4, baseado no artigo quinto da Constituição e no artigo 92 do Código Penal, mandou a Câmara Federal cassar o mandato dos deputados condenados por corrupção passiva, peculato e formação de quadrilha.

Políticos são eleitos pelo povo; membros do Judiciário são indicados pelos políticos. Poderia ser o contrário, pois não? Bem, se sobrevivermos ao dia de amanhã, meu raro leitor, vamos tentar arranjar um jeito de melhorar nossos políticos. Mas isso só depois do carnaval, que ninguém é de ferro.

Bom dia.
 

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

18/12/2012 19:50:58.000
OS IDEOFRÊNICOS DO PODER; OU MALUCOS DA PÁ VIRADA

O samba do petismo doido

 

A presidente Dilma Rousseff já botou pra correr do seu governo seis ou sete, ou oito, ministros de Estado e nenhum deles responde a qualquer processo administrativo por conta de suas exonerações: estariam envolvidos nas mais variadas falcatruas. O Brasil é o pais da jabuticaba e do povo que aplaude uma presidente que põe pra fora do governo ministros que ela mesma nomeou.
É o Brasil de uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa – como já disse o corrupto e condenado José Genoíno quando questionado, em 2005, sobre o mensalão e o caixa dois, confessado por ele na ocasião e, sete anos depois, pelos próprios advogados de defesa, como se tal não fosse crime.
Dilma Rousseff é agente preposto de Lula da Silva. E ambos sofrem de uma velha e quase esquecida doença que acomete ditadores: a ideofrenia, que se caracteriza por levar seus portadores a deturparem ideias e valores morais. Petistas todos são ideofrênicos. Uns mais ingênuos; outros, agudamente envolvidos com a doença; e outros, visceralmente atuantes, como Lula e Dilma Rousseff, ambos atuando para manter a hegemonia petista no país e, se possível, até o fim dos tempos. Afinal, ideofrênicos são assim mesmo e devemos tratá-los como eles não nos tratam: com a lógica da lei.
Petistas não gostam da lei. Para os bons de memória, Lula foi o deputado constituinte mais ausente e o que menos contribuiu para a elaboração da nossa nova Constituição: não apresentou nenhum anteprojeto e ainda liderou um movimento contrário à aprovação da Carta.
Envolvido agora com a ex-chefe do Gabinete Presidencial de São Paulo, Rose Noronha, acusada pela Polícia Federal de fazer parte de uma quadrilha que traficava influências ministeriais para vender pareceres técnicos a quem se interessasse, Lula sumiu do noticiário local e foi se refugiar em terras parisienses. Dilma Rousseff age como se não tivesse nada com isso e a vida segue, com apagões pelo país, com crescimento de 0,6 % no último semestre, sem entregar casas e creches prometidas aos milhares, e, principalmente, sem moral política sequer para defender o seu governo, que só existe institucionalmente porque atento está o Poder Judiciário; caso contrário, Dirceu seria o nosso Rasputim e Rose Noronha, a primeira-dama.
O Brasil está vivendo isso mesmo: a política do petismo doido. Que nunca vai dar samba. Nem cadeia.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

17/12/2012 20:32:00.000
TERMINARAM AS CHICANAS. A CONSTITUIÇÃO GANHOU! O DIRCEUPETISMO PERDEU!

Por Laryssa Borges, na VEJA.com
Depois de 138 dias e 53 sessões plenárias, o Supremo Tribunal Federal (STF) encerrou nesta segunda-feira o maior julgamento criminal da história do país: o mensalão. No total, 25 réus do escândalo foram condenados por participar da mais criminosa trama de corrupção já montada num governo brasileiro, entre eles líderes do PT e do governo Luiz Inácio Lula da Silva.

Na última sessão do julgamento, a corte determinou que os três deputados federais -Valdemar Costa Neto (PR-SP), Pedro Henry (PP-MT) e João Paulo Cunha (PT-SP) - não poderão exercer seus mandatos após o trânsito em julgado da ação penal, o que deverá ocorrer no segundo semestre de 2013.

Até o início da sessão de hoje, o placar sobre a perda dos mandatos estava empatado em 4 votos a 4. O voto decisivo foi dado pelo decano do tribunal, ministro Celso de Mello. “Não teria sentido que alguém privado da cidadania pudesse exercer mandato parlamentar”, afirmou. “A perda do mandato parlamentar resultará da suspensão dos direitos políticos, causada diretamente pela condenação criminal do congressista transitada em julgado, cabendo à Casa legislativa meramente declarar esse fato extintivo do mandato legislativo.”

Antes de começar a leitura do seu voto, Celso de Mello fez críticas indiretas ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), que chegou a defender que a Casa poderia descumprir a decisão do STF. “É inadmissível o comportamento de quem, demonstrando não possui o necessário senso de institucionalidade, proclama que não cumprirá uma decisão transitada em julgado do órgão judiciário incumbido de atuar como guardião da ordem constitucional e quem tem o monopólio de dar a última palavra em matéria de interpretação da Constituição Federal”.

“Não se revela possível que, em plena vigência do estado democrático de direito, autoridades qualificadas pela alta posição institucional que ostentam na estrutura de poder dessa república, possam descumprir pura e simplesmente uma decisão irrecorrível do STF”, disse Celso de Mello. “A insubordinação legislativa ou executiva ao comando emergente de uma decisão judicial, não importa se do Supremo Tribunal Federal ou de um juiz de primeira instância, revela-se comportamento intolerável, inaceitável e incompreensível, especialmente ante a definitividade e da peremptoriedade que se reveste a autoridade da coisa julgada. Qualquer autoridade pública que descumpra a decisão transgride a própria ordem constitucional e, assim procedendo, expõe-se aos efeitos de uma dupla e inafastável responsabilidade”, afirmou o magistrado.

Prisão e recursos
Ao todo, 13 réus, incluindo os petistas José Dirceu, ex-ministro da Casa Civil, e Delúbio Soares, ex-tesoureiro petista, foram condenados à cadeia. Dirceu recebeu penalidade de dez anos e dez meses por ter coordenado uma quadrilha que, com o braço financeiro do Banco Rural e com a expertise do empresário Marcos Valério, movimentou 153 milhões de reais.

Em um dos votos mais emblemáticos do julgamento, Celso de Mello resumiu a audácia, documentada nos autos, de políticos e empresários que atuaram na trama criminosa: “Este processo criminal revela a face sombria daqueles que, no controle do aparelho de Estado, transformaram a cultura da transgressão em prática ordinária e desonesta de poder, como se o exercício das instituições da República pudesse ser degradado a uma função de mera satisfação instrumental de interesses governamentais e de desígnios pessoais. Esse quadro de anomalia revela as gravíssimas consequências que derivam dessa aliança profana, desse gesto infiel e indigno de agentes corruptores, públicos e privados, e de parlamentares corruptos, em comportamentos criminosos, devidamente comprovados, que só fazem desqualificar e desautorizar, perante as leis criminais do País, a atuação desses marginais do poder”.

Embora o julgamento tenha sido concluído hoje, o tribunal tem 60 dias para publicar o acórdão, que resume todo o julgamento da penal, e, em seguida, é aberto prazo para que os réus possam apresentar recursos. É esperado ainda que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, apresente um pedido formal para a prisão dos condenados. Apesar de ainda ser possível apresentar recursos no próprio STF contra as sentenças do julgamento do mensalão, o Ministério Público argumenta que a prisão é justificável porque os apelos finais dos condenados não deverão mudar o conteúdo das condenações.

“Tendo em vista a inadmissibilidade de qualquer recurso com efeito modificativo da decisão plenária, que deve ter pronta e máxima efetividade, a Procuradoria-Geral da República requer, desde já, a expedição dos mandados de prisão cabíveis imediatamente após a conclusão do julgamento”, disse o chefe do Ministério Público logo no início do julgamento, em agosto.

O julgamento do mensalão foi o mais longo da história do Judiciário brasileiro. O caso Collor, por exemplo, classificado como histórico pelo próprio STF, demandou apenas quatro sessões plenárias. No recebimento da denúncia do mensalão, em 2007, foi preciso prazo de apenas cinco sessões.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(1) | envie esta mensagem | link do post

14/12/2012 21:05:16.000
SÚDITOS QUANDO CANTAM DESAFINAM; OU DEUS ESTÁ ROUCO.

Os números e a realeza do araque

 

Pesquisa CNI-Ibope informa que 62% dos brasileiros aprovam o governo Dilma Rousseff, entre o bom e ótimo; que 74% reprovam as políticas de saúde adotadas pela sua equipe ministerial; que 68% também são contrários às ações aplicadas na área da segurança; e que 50% acham que as medidas econômicas para combater a inflação vão dar em nada.
Dilma Rousseff é uma pop star que vende bem o seu peixe político, embora ele seja caro, difícil de ser pescado e pessimamente conservado. Mas mesmo assim 62% dos “consumidores” brasileiros aprovam o que ela põe à mesa nacional.
Não entendo de muita coisa. Na verdade, não entendo de nada. Mas já faz muito tempo que descobri que a voz do povo vem da garganta populista de um governo que não sabe para aonde vai, o que deve fazer e, principalmente, entender o que tem de fazer. O resultado aí está: o povo aprova a artista e desaprova a produção do espetáculo. E o Brasil segue bregando como sempre, ou na eguinha pocotó ou se achando que é o cara do momento. Merecemos, enfim, a Rainha Dilma e o Rei Roberto Carlos. E assim se esclarece as amizades íntimas do Imperador Lula, O Iluminado Que Sabe de Tudo Sem Saber de Nada.
Melhor pescar e acreditar que tudo não passa de um equívoco.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(3) | envie esta mensagem | link do post

13/12/2012 20:04:17.000
CONTA TUDO, VALÉRIO! CONTA TUDO, ROSEMARY!

Muito escurinho e pouca clareza

 

Muito trololó com a questão dos mandatos a serem cassados pelo Supremo Tribunal Federal, que deve concluir a votação pela perda ou não de mandato dos três deputados federais já condenados no processo do mensalão: João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP).
O artigo 55 da Constituição é muito claro:
 

Perderá o mandato o Deputado ou Senador:
I – que infringir qualquer das proibições estabelecidas no artigo anterior;
II – cujo procedimento for declarado incompatível com o decoro parlamentar;
III – que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa, à terça parte das sessões ordinárias da Casa a que pertencer, salvo licença ou missão por esta autorizada;
IV – que perder ou tiver suspensos os direitos políticos;
V – quando o decretar a Justiça Eleitoral, nos casos previstos nesta Constituição;
VI – que sofrer condenação criminal em sentença transitada em julgado.
§ 1º – É incompatível com o decoro parlamentar, além dos casos definidos no regimento interno, o abuso das prerrogativas asseguradas a membro do Congresso Nacional ou a percepção de vantagens indevidas.
§ 2º – Nos casos dos incisos I, II e VI, a perda do mandato será decidida pela Câmara dos Deputados ou pelo Senado Federal, por voto secreto e maioria absoluta, mediante provocação da respectiva Mesa ou de partido político representado no Congresso Nacional, assegurada ampla defesa.
 

Repinicando

Tem mais itens que cuidam do caso mas acho que os já expostos são suficientes para que o raro leitor entenda o que os petistas não querem entender nem que a mula manque.
Espernear é direito até do frango que teve o pescoço torcido, não é mesmo? Mas o que se está bem claro é o que o PT usa para esconder o que não quer ver na boca do povo: Lula sabia do mensalão; sempre soube de tudo; sempre saberá de tudo; e disso bem sabem todos os corruptos mensaleiros, notadamente o contador Delúbio Soares e o operador financeiro Marcos Valério.
Valério já começou a vazar aqui e ali e Delúbio Soares será o próximo a relaxar a língua. A exemplo do primeiro, Delúbio foi escanteado pela alta cúpula do PT e vem reclamando falta de apoio político por parte da sigla. Rose Noronha, a íntima confidente do ex-presidente Lula, também está à beira de um ataque de nervos, sem contato com o seu grande companheiro de viagens internacionais e, provavelmente, morrendo de vontade de estar em Paris.
Muito trololó e Lula que ache um jeito de explicar o que andou fazendo no escurinho da política presidencial. Eu vou fazer o que sempre acho necessário fazer quando Lula desaparece de suas responsabilidades: vou pescar. Mas antes escrevo alguma coisa.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(1) | envie esta mensagem | link do post

12/12/2012 21:57:29.000
O LIXO NÃO É TANTO ASSIM. BASTA APENAS SONHAR, PESCAR E DAR UM BEIJO NA COMPANHEIRA

Considerações por falta de coisa melhor

Fernando Hadad que se vire abraçado com Paulo Maluf. Ele que aprenda a arranjar desculpa com Lula se abraçando a José Sarney. Dez anos o separaram de tais maracutaias. E todos se acham bem vividos, com dinheiro à farta, com poder político e iludindo as massas.
Sigo eu aqui com as minhas palavras, aos deveres dados aos meus valores, aos meus filhos, aos meus amigos e, sobretudo, à minha companheira, a quem sempre beijo e peço futuro. Digo isso porque não aceito valores que políticos manifestam e não respeitam. Não posso fazer tudo o que desejo – embora tenha tal direito – pois bem sei o que me prejudica diante dos valores professados pelas pessoas que respeito. São elas, a companheira, meus filhos e amigos, que determinam meus limites morais. Posso até avançar milímetros morais para conseguir uma transgressão cultural e paro diante do que a lei determina. Liberdade, esse é o muro que respeito.
Vou para aonde quero e paro onde desejo. Mas não passo além da liberdade a que qualquer cidadão tem direito. Não entendo a liberdade como direito coletivo, mas, sim, individual. E faça-se um indivíduo livre e livre estarão todos os outros homens. E muito cuidado devemos ter quando pensamos em resolver a vida dos miseráveis que sobrevivem debaixo das marquises da cidade, fedendo a mijo, fezes e pústulas. Devemos protegê-los de suas próprias dificuldades e ignorâncias. Devemos lembrá-los que tiveram pais e uma casa. Devemos fazer o possível para possibilitar um retorno digno a seus valores ancestrais, a seus parentes, a seus amigos, a seus pais e a suas paisagens.
Governo nenhum trará dignidade aos que não tem noção de uma vida digna. Comunistas e nazistas mataram milhões deles por conta de suas necessidades ideológicas; e de muitos discursos de cemitérios a democracia vem sobrevivendo aos trancos e barrancos políticos. Somos todos habitantes de um planeta que rola e circunda uma estrela que daqui alguns bilhões de anos se apagará e mesmo com tal ciência não entendemos que somos todos condenados à insignificância cósmica.
Fácil acusar os políticos pelas suas ilegalidades; mas quem há de se achar culpado por elegê-los? Morreremos todos por nossa incompetência; e nem remorsos sentiremos quando nossos bisnetos nos acusarão de covardes políticos. Ou de meros bundões de um século já passado. Mas nada que um meteoro sem gps possa resolver: aconteceu antes e pode acontecer agora. Ou a qualquer momento nos próximos bilhões de anos. Coisa que Chico Buarque e Niemayer jamais poderão evitar. Nem mesmo Deus ou o Diabo. Só os poetas e os úteros do átomo.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

10/12/2012 22:55:01.000
LULA: OU É UM POLÍTICO COVARDE; OU É UM AMANTE CALHORDA

Leio na Folha Online, trecho de uma reportagem de Rodrigo Vizeu:

“A presidente Dilma Rousseff almoçou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeira dia de visita oficial à França. O encontro foi no hotel em que a presidente está hospedada, em Paris. Lula entrou e saiu do local por uma entrada lateral, sem falar com a imprensa. Nem a assessoria da Presidência da República nem a de Lula deram detalhes do que os dois conversaram. Presente na comitiva, o ministro Aloizio Mercadante (Educação), disse que tem falado sempre com o ex-presidente.
Lula tem evitado falar com a imprensa desde que a Operação Porto Seguro da Polícia Federal teve como alvo Rosemary Noronha, ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo, que é ligada ao ex-presidente. Em evento em Berlim, na sexta-feira, Lula disse apenas que não ficou surpreso com a operação. Questionado sobre o estado de espírito do ex-presidente, Mercadante afirmou apenas que Lula “é um guerreiro”.

A presidente Dilma Rousseff almoçou com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em seu primeira dia de visita oficial à França. O encontro foi no hotel em que a presidente está hospedada, em Paris. Lula entrou e saiu do local por uma entrada lateral, sem falar com a imprensa. Nem a assessoria da Presidência da República nem a de Lula deram detalhes do que os dois conversaram. Presente na comitiva, o ministro Aloizio Mercadante (Educação), disse que tem falado sempre com o ex-presidente.
Lula tem evitado falar com a imprensa desde que a Operação Porto Seguro da Polícia Federal teve como alvo Rosemary Noronha, ex-chefe do escritório da Presidência em São Paulo, que é ligada ao ex-presidente. Em evento em Berlim, na sexta-feira, Lula disse apenas que não ficou surpreso com a operação. Questionado sobre o estado de espírito do ex-presidente, Mercadante afirmou apenas que Lula “é um guerreiro”.
MEU ASSUNTO
O descanso de um “guerreiro” é sempre os braços da sua amada. E sabemos lá onde Lula descansa suas vergonhas políticas. Ele não fala nada. Não diz nada. Não empunha a lira dos amantes para confortar a tragédia da sua musa. Apenas se cala e calado ficará. E Rosemary ficará sem ombros e poesia.
O Brasil é uma farsa total. Ou uma comédia pastelão. O Brasil é o país do traficante viciado no produto que vende; da prostituta que se apaixona pelo cliente; do gigolô que tem ciúmes da biscate que a agencia; do policial que vira amigo do bandido; e por aí vamos lambendo nossas feridas republicanas.
Dá a impressão que somos nós os culpados pelas coisas que não dão certo para eles; eles se danam e nos culpam pelas nossas fraquezas democráticas – tanto os bandidos como os mocinhos da nossa República, no caso os que perderam as eleições. Eleitor nenhum se lembra das suas dores sociais após receber asfalto na sua rua de terra, água encanada, creche no bairro, escola e ambulatório. Fica com o bem por direito recebido e exige mais ações sociais a quem bem sabe que pode fazer mais.
Dilma Rousseff não pode fazer muita coisa diante do caos econômico que ela bem sabia que teria de administrar, mesmo porque estava lá, ao lado do então presidente Lula, que agora sabemos que vinha fazendo de conta que tomava conta do nosso país quando, realmente, vivia de promover folguedos de alcova com cargos republicanos.
Muitos acham que a vida particular de um cidadão é direito dele. Também acho. Desde, é claro, que o cidadão não ocupe um cargo público; e Lula era presidente da república e deveria se ater ao decoro do cargo. Seu silêncio é natural e próprio dos amantes covardes. Lula só é fiel a si mesmo; ou ao seu espelho político.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(3) | envie esta mensagem | link do post

09/12/2012 21:41:21.000
O OCASO DE UM CORRUPTO. DIRCEU JÁ ERA. SEM COMENTÁRIO

Matéria da Veja.com (de Jean-Philip Struck):

 

"Condenado a mais de dez anos de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por formação de quadrilha e corrupção ativa, o ex-ministro José Dirceu já conhece seu destino – e não se conforma. Antes de começar a cumprir sua pena, que deve ser iniciada em regime fechado, o petista tenta há semanas organizar eventos com militantes do partido em sua defesa. Mas o que Dirceu não esperava era que seu prestígio estivesse tão baixo dentro da legenda onde construiu sua trajetória política e onde alcançou posto de líder influente. Os três primeiros atos organizados até agora foram esvaziados e não produziram nenhum barulho.

O golpe de misericórdia veio na reunião do Diretório Nacional do PT na última sexta-feira, em Brasília. Representando Dirceu, Serge Goulart, da tendência radical O Trabalho, apresentou uma moção sugerindo que o partido fosse às ruas para promover atos contra o STF e que não reconhecesse o julgamento do mensalão, segundo informou o jornal O Globo. Porém, a proposta nem chegou a ser votada. A direção do PT não ousou dar início a um confronto com o órgão que encabeça um dos poderes da República – e também não quis submeter os mensaleiros a mais uma derrota pública. Após o encontro, o partido divulgou uma nota, mas nenhuma linha fazia referência ao mensalão.

Os apoiadores de Dirceu tentaram reunir militantes em atos em São Paulo, Osasco (SP) e Curitiba. Na próxima semana, deverão ser feitas novas tentativas em Guarulhos (SP) e Porto Alegre (a menos que a decisão do diretório nacional enterre de vez os planos de Dirceu).

Em Osasco, o anfitrião do encontro realizado em uma escola foi outro condenado no mensalão, o deputado João Paulo Cunha. Ao grupo, também juntou-se o ex-presidente do PT José Genoino. Na plateia, entretanto, os políticos mais ilustres eram vereadores e prefeitos de pequenos municípios paulistas, como Bofete e Jaboticabal, além de representantes de partidos nanicos como o PSDC e PTN. O presidente do PT, Rui Falcão, e os deputados Jilmar Tatto (PT-SP), líder do PT na Câmara, e Arlindo Chinaglia (PT-SP), líder do governo, que haviam sido inicialmente anunciados como participantes do evento, não foram. Ao explicar as ausências, os organizadores culparam o “trânsito de São Paulo”.

O ex-chefe do PT e ex-homem forte do governo Lula, acostumado a agendas requisitadas e à tribuna da Câmara dos Deputados, teve dificuldade para reunir 150 pessoas em Curitiba, a maioria estudantes no último dia 3. O organizador foi o deputado federal Zeca Dirceu (PT), seu filho. No Paraná, o partido conta com quadros nacionais, como o casal de ministros Paulo Bernardo (Comunicações) e Gleisi Hoffmann (Casa Civil) e o deputado federal Dr. Rosinha. Mas apenas o secretário nacional de comunicação do PT, o paranaense André Vargas, compareceu.

Em São Paulo, um novo encontro reuniu Dirceu e Genoino na sede do Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo, no dia 24. A única cara conhecida na plateia era o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), e o encontro foi preenchido por militantes do Fórum do Diálogo Petista, criado por filiados de correntes consideradas radicais do PT. No discurso, Dirceu repetiu a ladainha de que sua condenação foi um golpe da elite e da imprensa, falou em “martírio” e chegou a afirmar que só não foi “fuzilado porque num Estado democrático de Direito não há pena de morte”.

Suplicy afirma que participou do encontro esvaziado para ouvir Dirceu. “Eu conheço os três (Dirceu, Genoino e João Paulo Cunha) há 32 anos. Fui lá para ouvir, refletir. Fui para isso. Acho que é uma questão dolorosa. Sobre ausências eu prefiro só responder por mim. Cada um é cada um”, disse Suplicy.

São essas correntes petistas que têm pressionado o partido para que a direção nacional seja mais enérgica ao defender os réus. Dirigente da tendência O Trabalho, Markus Sokol disse em novembro que existe “insatisfação na base do partido” com a forma com que o partido tem lidado com o resultado do julgamento – tímida, na sua opinião. “Se ficar sem resposta, outras organizações que incomodam a elite dominante não poderão se sentir garantidas”, disse o dirigente.

“Falta solidariedade no nosso partido. É na hora ruim que se conhece o companheiro. Eles [Dirceu, Genoino e Cunha] merecem mais do nosso carinho”, afirmou em Osasco o deputado Devanir Ribeiro (PT-SP), um dos petista que saiu em defesa do ex-ministro publicamente. A desculpa de petistas para não comparecer tem sido de que os atos não são eventos oficiais do partido e não contam com a chancela dos diretórios locais.

O PT fará de tudo para minimizar os danos do julgamento do mensalão. Tentará reescrever a história, afirmando que não se valeu de métodos criminosos para assegurar o poder. Mas, no momento ao menos, não existe apoio irrestrito aos condenados pelo STF. Se isso representará a derrocada definitiva de José Dirceu, uma das figuras mais poderosas do PT – e também do país, no início da década passada – é uma história a se acompanhar de perto. "

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

07/12/2012 18:20:18.000
A DOR DE CADA UM DE NÓS É A DOR DE TODOS NÓS

O Tempo é a Palavra

 

Ocupo o espaço de um cronista adoentado, na página dois do Correio Popular. Farei o que posso para vê-lo livre e solto das amarras da dor. Farei palavras de unguentos; farei orações agnósticas; farei verbos inexistentes; inventarei um jeito de estar aqui por um equívoco dos deuses; e deuses erram às vezes. Deuses sempre erram; jamais os cronistas, os melhores que erram quando acertam, pobres semi-deuses das palavras e argumentos quando o sol se acena sombrio e apenas sombreia as incertezas que se carrega.
O lugar que tenho na vida é a esquina do Tempo que me aponta o caminho de casa, das palavras, da liberdade de cada um dos homens que conheço, alguns mais, outros de vista, das agruras que carregamos quando começamos a trabalhar para sobreviver, do dar o de comer à família, desde o alimento dos grãos seculares até os valores morais que deverão guiar as suas vidas.
Sou igual a muitos homens que estão envelhecidos demais para serem enganados pelas suas próprias ilusões. Não tenho nada além das minhas convicções; muitas delas estão erradas, bem sei, mas elas são o que sou: um perdido na vida das palavras; um ébrio atrás de uma canção ainda não feita; ou um homem que aguarda palavras de outros homens, mais sensatas, mais alegres; de um que seja para me dizer que as palavras seguem imortais e conhecidas além das nossas galáxias pessoais, o que compreende o bar da esquina, a feirinha do bairro, a lojinha de aviamentos.
De algum modo, ou de outro que se me apresenta em argumento de sobrevivência, escrevo para me manter vivo na tinta impressa de um jornal, assim como volto pra casa para abraçar a companheira, a razão das flores da varanda, do seguir sempre em frente das nossas inquietudes e belezas cotidianas, ao amparo de nossos amigos, da boa-vontade e do sempre bem-vindo sorriso da manhã que atravessa as frestas da janela do quarto.
Veríssimo está de bem com as suas palavras; e bem sei que os contrários referendam seus argumentos, pois bem são os contraditórios a dar razão ao que se acha justo e correto em suas razões literárias. Haverá de desconfiar de algumas e seguirá fiel a tantas outras.
Aguardo seu retorno. Aguardo o sol de todo dia. Aguardarei a Lua e todas as Estrelas que jazem mortas no firmamento. Aguardo as palavras necessárias que nos expliquem diante do mundo. Aguardo, sobretudo, paciência e entendimento para saber o que nos leva às palavras. Talvez a nada; talvez a uma corda que pensamos ser jogada por alguém que também se acha nela pendurada, visto que os heróis muito necessitam de salvação. Talvez Deus se apiede de nossas dúvidas – e muito mais das nossas certezas; talvez o Diabo diga que não tem nada com isso, que não sabe de nada, que foi apunhalado, pelas costas, pelos anjos caídos do início dos Tempos.
Ocupo espaço porque aqui estou por ofício e estarei por vigilância. É o meu oxigênio a palavra impressa, parte que devo guardar ao cronista enfermo. O Diabo que diga a que veio; e aqui direi o que ele não diz, pois covarde diante dos que buscam a dúvida e desdenham a verdade histórica. Tem sido assim desde os primórdios da humanidade. E agora não será diferente. Nada sei de Deus; mas muito sei do Diabo. E o que sei não é lá flor que se cheire.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

06/12/2012 21:01:58.000
A PAIXÃO É COISA MUITO SÉRIA. E É SÓ PARA OS CORAJOSOS

Os apaixonados e os alcoviteiros

 

A marquesa de Santos nunca morou no litoral santista. E nunca foi amante de Dom Pedro I. Filha de um militar reformado, João de Castro Canto e Melo e de Escolástica Bonifácio de Toledo Ribas, casou-se aos 14 anos (1843) com o alferes Felício Pinto Coelho de Mendonça e com ele teve dois filhos: Francisco e Felício. Dois anos após, em Vila Rica, o marido a esfaqueou – e ela estava grávida – e casamento foi anulado por interferência real. Ela perdeu o terceiro filho.
Dom Pedro I, então príncipe regente, conheceu-a poucos antes da proclamação da independência e a convenceu a ir para o Rio de Janeiro. E durante sete anos, entre 1822 e 1829, viveu em um palacete adaptado e decorado pelo renomado arquiteto da época, Francisco Pedro do Amaral, no paço de São Cistóvão. Em 1825, recebeu o título de viscondessa de Santos e o de marquesa, em 1826. Com ela, Dom Pedro I teve cinco filhos e destes apenas duas filhas chegaram à vida adulta: a carioca Isabel Maria Alcântara Brasileira, a sua preferida; e Maria Isabel II de Alcântara Brasileira, que só foi oficialmente reconhecida paternalmente dias antes da morte de Dom Pedro I.
A Marquesa de Santos chutou o balde imperial e voltou para São Paulo, onde terminou seus dias casada, em 1842, com um próspero empresário, Rafael Tobias de Aguiar, com quem teve mais seis filhos. Viúva em 1857, muito rica, dedicou o resto de sua vida à obras assistenciais. Seus restos mortais hoje estão guardados no Cemitério da Consolação.
Conheço histórias de amantes às pampas. Mas a marquesa de Santos jamais foi amante de Dom Pedro I. Foi muito mais que a esposa política que o seu namorado foi obrigado a suportar por razões políticas, casando-se inicialmente com a imperatriz Maria Leopoldina, morta em 1826, e, depois, com a duquesa de Leuchtemberg, Amélia Beauharnais. Domitila comeu o pão que José Bonifácio de Andrada e Silva amassou – e que embora exilado por força imperial à França – continuou ainda a satanizar a bela e jovem namorada imperial, que acabou se enchendo daquilo tudo – mais pela covardia social do seu companheiro – e foi atrás da sua felicidade.
Rosemary Nóvoa Noronha, amante do ex-presidente Lula, foi comparada por um blogueiro como uma “nova marquesa de Santos”. O blogueiro, por certo, desconhece a história do nosso país imperial e tampouco sabe a diferença do que venha a ser uma namorada e uma teúda e manteúda. Rosemary é amante de Lula há quase vinte anos e usou a força da alcova para conseguir privilégios políticos e assim vender traficâncias de poder, nomear seus quadrilheiros, corromper o sistema e ainda pegar algum navio no porto de Santos. E cessa aí a semelhança.
Lula não é Dom Pedro I e nem Rosemary Noronha é a Marquesa de Santos. Nem tanto por questão de títulos, mas por questão de estilo: corajosos, Dom Pedro e Domitila enfrentaram a sociedade imperial com toda a transparência possível; Lula e Rosemary preferiram se esconder; alcoviteiros que bem sabiam ser.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

05/12/2012 20:13:10.000
ONDE SE GANHA A VIDA NÃO SE BEBE O VINHO E TAMPOUCO SE COME O PÃO

O pão que não se come

Nem tanto ao mar e nem tanto à terra. Fico mesmo em cima dos meus pés. Ou dos cotovelos apoiados no balcão da dúvida. Nem o mensalão acabou e nem a impunidade dos envolvidos. Zé Dirceu continua sendo notícia desde a sua condenação e a imprensa não se envergonha de dar o mesmo tratamento aos demais bandidos do país, ao Marcola, por exemplo, que ocupa seu tempo prisional lendo os grandes clássicos da literatura mundial. Dirceu conhece Descartes? Marcola conhece. Dirceu já leu alguma obra de Machado de Assis? Pois é: Marcola já leu.
Dirceu é um pobre covarde revolucionário que aprendeu a viver a história de outros jovens que não entendiam nem de comunismo e tampouco de democracia. Dilma Rousseff era um desses jovens e hoje está ocupando o mais alto cargo da República. Resta saber se ela entende que foi a democracia que a colocou no lugar que ora ocupa. Digo isso porque, ela, assim como tantos outros petistas, fizeram parte de grupos terroristas de esquerda que lutaram contra a ditadura militar para no país instalar uma ditadura do proletariado, o que seria o mais do mesmo, o trocar de seis por meia dúzia.
O fato de Lula ter patrocinado uma amante para a chefiar o gabinete presidencial de São Paulo, Rose Noronha, e Dilma assinar embaixo, faz parte das relações íntimas que ocorrem dentro de um partido. Rose achou que estava bem na cena amorosa e a transcendeu para sobreviver ao fogo existencial dos que rompem as regras da paixão e invadem a seara alheia; no caso, ela que vire agora para escapar dos braços da lei, pois os braços do amante estão inertes e covardes, sem contar que dos lábios apaixonados do seu amante escorrem a baba da discórdia, do se dizer apunhalado pelas costas, do não atender o celular, do nada a fazer senão sentar e se esfregar em cima de suas covardias emocionais.
Rose Noronha será condenada por se achar acima das leis e Lula já está condenado por não defender uma paixão que o ajudou a suportar a solidão daqueles que se descobrem incapazes de enganar muitos o tempo todo. Lula é um homem só e solitário e terá que se haver com o que lhe cobrará o pouco do que resta da sua consciência. Quem sabe agora ele se lembre de um conselho que velhos assessores da imprensa sindical sempre diziam, em sinal de alerta, lá em Cajamar: Não se bebe o vinho e nem se come a carne na casa onde se ganha o pão de cada dia.
O resultado está aí: mensalão e Rosegate.
Bom dia.

enviada por Zeza Amaral
comentar | ler comentários(0) | envie esta mensagem | link do post

04/12/2012 20:01:50.000
O AMOR DAS ILUSÕES; O AMOR DE ROSEMARY; LULA E PUNHAL

Lula, Rosemary e o samba-ladrão

Eis aí o Brasil, desnudo, saindo das suas matas luxuriantes enrolado em uma folha de bananeira; eis aí Lula e a sua amante de tantas falcatruas, nem tanto pela paixão – que isso ninguém entende e entenderá – mas pelas trocas do prazer político, do tráfico de influências, do se achar capaz de tudo e de todos, nomear pelo travesseiro e administrar no café da manhã os destinos de alguns apaniguados que controlam dezenas de outros abestalhados na máquina administrativa federal.
Tanto se me faz se Lula tem uma namorada além da sua moradia; pouco se me faz se tudo isso não interferisse na gestão pública. Problema dele; problema dela; antes fosse deles o problema que diz respeito a todos nós que pagamos impostos. E ambos extrapolaram a paixão em si e entraram nas burras do Estado. E isso é crime; isso é safadeza da grossa; isso tem nome: assalto aos cofres públicos.
Rosemary Noronha não consegue falar com Lula e isso é normal. Lula nunca sabe de nada; nunca sabe das coisas que o emocionam; é um amante covarde; um estelionatário ideológico; alguém que apenas chegou ao poder pisando em amizades sinceras, misturando interesses pessoais com os públicos, privatizando o estado para as burras do seu partido, o PT.
Rosemary Noronha é vítima de si mesma; jogou alto e perdeu agora o pouco que lhe restava de dignidade: não foi sequer amante; tampouco uma namorada. Não tem mais nada a perder além do seu amor próprio; perdeu até mesmo a juventude ao lado de um sonho de poder; casou, descasou, novamente casou e permanece viúva de um amante que não lhe manda flores ou retorna telefonemas. Está só, como sempre ficam as viúvas de seus próprios sonhos.
O Brasil é um país feito para profissionais, como vaticinou Tom Jobim. E Lula sequer consegue ser um amante profissional. Lula não sabe nada além de seus desejos boçais, mandar alguém para fazer isso ou aquilo, abrir a garrafa de cerveja, ou a porta da alcova presidencial ou do gabinete presidencial. Ele sempre gostou de mandar e fará isso até o dia em que alguém o barrar na porta da Constituição, um sonho pra lá de distante.
Lula vinha fazendo até então tudo certo com os seus sonhos de sobrevivência, desde os tempos de militância sindical (época em que andava atrás de viúvas de metalúrgicos mortos, e Marisa Letícia foi uma delas ), até chegar à presidência da república. E a sua paixão particular agora virou pública e, o que é pior, do interesse de todos os brasileiros que trabalham cerca de cinco meses apenas para pagar seus impostos. E o Brasil chega hoje a míseros 1,6% de crescimento e com um STF condenando os principais líderes petistas à cadeia.
Rosemary Noronha espera que Lula a socorra. Sem chance. Afinal, ele já anda espalhando por aí que foi apunhalado pelas costas; embora a lógica nos diga que o punhal foi ele mesmo quem deu de presente a quem o apunhalou. E eles, que são vítimas de seus próprios desejos, que se entendam. Ou na mesa de um boteco suburbano ou, de preferência, diante de um delegado federal. De qualquer forma, fim de amor sempre é uma coisa muito triste; e esse é ainda mais triste porque nem samba vai dar. A menos que alguém invente aí um tal de samba-ladrão.
Bom dia.

enviada por Zeza Aamaral
comentar | ler comentários(4) | envie esta mensagem | link do post