1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Virose intestinal atinge Campinas e preocupa Saúde


Enteovírus, que atinge principalmente crianças, amplia e procura por atendimento no Mário Gatti


10/04/2012 - 08h41 . Atualizada em 10/04/2012 - 08h44
Agência Anhanguera de Notícias    
Compartilhar

A fisioterapeuta Talita Pedi com o filho Renan, que teve quadro de vômitos e diarreia e foi levado para exame: suspeita de enteovírus
(Foto: Leandro Ferreira/AAN)

A Prefeitura de Campinas investiga a ocorrência, no município, de um surto de virose intestinal, causadora de vômitos e diarreias, e que atinge principalmente crianças. Em março, o número de atendimentos no Pronto-Socorro Infantil do Hospital Municipal Dr. Mário Gatti cresceu 62% em relação a fevereiro e pelo menos metade dos pacientes tinha sintomas da doença causada pelo enterovírus, de acordo com a médica coordenadora do serviço, Andrea Tirico de Paiva. 

Os casos também aumentaram significativamente na rede de atendimento particular da cidade: a Multiclínicas, no Jardim Novo Campos Elíseos, informou que 50% dos menores em idade escolar e pré-escolar que passaram em consulta nos últimos dias apresentaram quadros da doença. Já no hospital Vera Cruz, várias crianças com sintomas da enterovirose aguardavam atendimento na manhã de ontem. 

O Mário Gatti atendeu 4.369 pacientes com até 16 anos em fevereiro, contra 7.079 no mês passado. “Acredito que exista um surto da virose porque o aumento de pacientes com os sintomas foi muito significativo e em pouco tempo. Ainda não temos o número exato dos casos da doença, mas pelo menos metade das crianças de março estavam com sinais da enterovirose”, afirmou Andrea. 

A Vigilância Epidemiológica da Secretaria de Saúde informou que não foi notificada oficialmente do aumento de casos da virose intestinal na rede municipal de atendimento ou em clínicas particulares. Porém, a coordenadora Brigina Kemp confirmou que investiga se a alta configura um surto. “Oficialmente, para a Vigilância caracterizar um surto ela precisa de alguns parâmetros e evidências de que a infecção é feita pelo mesmo agente causador. Nós vamos revisar os números e os casos e investigar isso com cautela.” 

Apesar de atingir principalmente crianças pequenas, este ano a virose intestinal causada pelo enterovírus tem se manifestado também em adultos. “O vírus está com um poder de agressão, que nós chamamos de virulência, maior. Eu atendi muitos adultos com sintomas da doença. A transmissão está com uma intensidade e rapidez impressionantes, mas ainda não sei dizer qual a explicação para isso”, afirmou o pediatra e proprietário da Multiclínicas, Tadeu Fernado Fernandes. Apenas na manhã de ontem Fernandes atendeu 38 crianças, 19 com sintomas da doença.

Enterovírus
De acordo com o médico, as enteroviroses são típicas do Verão e do Outono. “A doença tem transmissão fecal-oral. O vírus é passado por gotículas de saliva, mãos mal lavadas, como o rotavírus”, explicou. A doença se manifesta com um mal-estar, que aos poucos vai se transformando em uma indisposição geral, segundo o pediatra. As dores de cabeça e o vômito são os próximos sintomas da virose, que culmina com diarreia e febre. 

O ciclo do vírus é de aproximadamente 15 dias e o tratamento é paliativo, apenas para aliviar os sintomas. “Não existe remédio para a doença. Nós fazemos um tratamento para melhorar os vômitos e a indisposição. A diarreia não deve ser cortada por nenhum medicamento, pois é uma forma do organismo se livrar do vírus”, disse Fernandes. 

Hidratação intensa, através de sucos, chás, isotônicos, água de côco e soro caseiro é o tratamento mais indicado para a virose intestinal. “Em via de regra, o enterovírus não causa morte, mas pode levar a um quadro crônico de desidratação quando não diagnosticado”, completou o pediatra.