1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Descoberta em programa sexual leva travesti à morte


Acusado preso, Edson Fernandes da Silva, segundo a Polícia Civil, diz ter assassinado Gardênia por não ser mulher


05/01/2012 - 15h43 . Atualizada em 05/01/2012 - 16h57
Adagoberto Baptista   Portal RAC  
Compartilhar

O homem preso desde dezembro acusado de assassinar o travesti Gardênia confessou que realmente praticou o crime nesta quinta-feira (5) para a Polícia Civil no 1º Distrito Policial  de Campinas. O criminoso contou para a polícia que havia saído com a vítima para um programa e que só percebeu que não se tratava de uma mulher assim que ele se despiu.

'O acusado relatou que cometeu o assassinato após estar em quintal de casa abandonada no bairro Botafogo, com a vítima seminua e descobir que se tratava de um travesti', contou o delegado titular do 1º DP, Maurício Geremonte.

O policial coordenou as investigações que levaram à prisão de Edson Fernandes da Silva, de 33 anos, em dezembro. 'Agora a prisão preventiva do suspeito está pedida e decretada pela Justiça', relatou Geremonte. Investigadores do 1º DP tinham pego Silva no Centro de Campinas e o suspeito foi mantido detido por prisão temporária de 30 dias. O assassinato de Cláudio Lúcio Miranda de Almeida, de 49 anos, ocorreu em 25 de novembro de 2011.

Segundo o delegado Geremonte, Edson disse na confissão que parou em lanchonete e consumiu bebida alcólica com Gardênia. Depois decidiram pelo programa. 'O acusado afirmou que estava bêbado, que parou diante uma casa no bairro Botafogo e depois foi para o local ermo. Ao perceber que estava com um travesti, pegou uma pedra, quando a vítima estava de costas, e desferiu a primeira pancada, seguida de outras', relatou Geremonte.

Ainda de acordo com o delegado, antes do crime Gardênia passou em uma pensão onde já havia feito programas outras vezes, mas a dona do local não permitiu que eles entrassem. 'Por isto o travesti e o acusado foram para a casa abandonada', explicou o delegado. Com a prisão preventiva decretada, o acusado permanece detido até que a Justiça determine direcionamento para o processo.