1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Suspeito de ser estuprador é linchado por moradores


No entanto, a mulher que teria sofrido o ataque, não reconheceu a vítima morta


08/01/2012 - 21h48 . Atualizada em 09/01/2012 - 07h52
Sarah Schmidt   DA AGÊNCIA ANHANGUERA  
Compartilhar


(Foto: )
Tags

Um homem suspeito de ser o estuprador do Campo Grande foi espancado até a morte por moradores do bairro Jardim Florence e Rossim, por volta das 21h15 de domingo (08). O linchamento aconteceu depois que uma auxiliar de limpeza, de 29 anos, foi abordada por um homem que saiu de um matagal próximo a uma ponte de um córrego que corta a Avenida John Boyd Dunlop. Ela conseguiu escapar e correu até a casa da sogra para pedir ajuda. Vizinhos souberam do atentado e revoltados com a onda de estupros que assusta o bairro desde o ano passado e que levou duas mulheres à morte, correram até a região da ponte para procurar o suspeito. Porém, o homem que foi morto não foi reconhecido pela auxiliar de enfermagem como a pessoa que teria tentado atacá-la .O homem foi linchado na Rua Aparecida Cândida da Silva.

De acordo com o relato de moradores, um homem saia debaixo da ponte quando foi abordado por outros moradores que procuravam o suspeito. Ele foi espancado com pedras, pedaços de pau e um bloco de cimento. Viaturas da Polícia Militar (PM) chegaram ao local, mas não consguiram dispersar a multidão formada por cerca de 100 pessoas. O suspeito morreu no local. Segundo a PM, uma ambulância do Serviço Móvel de Urgência (Samu), que foi ao local para averiguar se o homem ainda estava vivo, foi atacada pelos moradores enquanto tentava sair do bairro. Nesse momento, cerca de 500 pessoas teriam tentado tombar o veículo, revoltadas porque, de acordo com a PM, não queriam que o suspeito recebesse socorro. Para conter a população e permitir que a ambulância saísse do local, a polícia se utilizou de armas não-letais.

O fato um mal-estar entre moradores e PM. Enquanto a reportagem esteve no local, moradores tentaram atacar as viaturas com pedras e garrafas de vidro, além de desferir xingamentos para a polícia. A PM, então,se utilizou de balas de borracha e bombas de efeito moral para dispersar os moradores revoltados.

A auxiliar de limpeza, ao ver o corpo do homem morto, não o reconheceu como aquele que teria tentado atacá-la. “O homem que correu atrás de mim era baixo, usava uma camiseta meio verde, com o desenho do personagem 'Ben 10', calça jeans, pele escura e mochila nas costas. Não era esse homem que morreu”, contou.

De acordo com moradores, o homem morto morava na Rua Aparecida Cândida da Silva há cerca de um ano e sempre fumava maconha embaixo da ponte. Até o fechamento desta edição a polícia não tinha a identidade do homem linchado.

Saiba mais

Uma onda de violência contra mulheres na região do Campo Grande motivou um protesto no começo da semana passada, na Avenida John Boyd Dunlop. O grupo de aproximadamente cem pessoas reivindicou mais segurança nos bairros Jardim Rossin, Monte Alto e Jardim Florence. Uma jovem de 20 anos foi estuprada na noite de segunda-feira, dia 03, embaixo da ponte de um córrego que corta a via. Além disso, nos últimos dias, os corpos de duas mulheres, já identificadas, foram encontrados em córregos da região. Os moradores do bairro suspeitam que todas elas tenham sido violentadas por uma única pessoa.

Um dos cadáveres foi achado no Rio Capivari pela equipe do Corpo de Bombeiros. A mulher, identificada como Sâmia, de 42 anos e havia desaparecido no Jardim Florence, na madrugada do dia 31. Suas sandálias e uma bolsa com seus documentos já tinham sido encontrados por familiares na beira de um córrego, afluente do Capivari, que corta o Jardim Rossin. A irmã da vítima chegou a alugar um barco para fazer, por conta própria, a busca por Sâmia. O Instituto de Criminalística da Polícia Civil irá afirmar se Sâmia foi vítima de abuso sexual.

Outra vítima foi socorrida no Jardim Florence 2. A mulher, que tem em torno de 20 anos, está internada no Hospital de Clínicas da Unicamp e não corre risco de morte, mas teve ferimentos graves no rosto. A vítima voltava do trabalho na terça-feira às 23h45, quando foi atacada pelo criminoso. Ela foi estuprada no matagal na beira do córrego do Jardim Rossin, embaixo da ponte da John Boyd. Ensanguentada, a mulher conseguiu pedir socorro em uma casa do bairro, por volta das 2h de quarta-feita.

Há 10 dias o corpo de outra jovem foi encontrado no córrego. De acordo com o delegado da divisão de homicídios da Polícia Civil, Rui Pegolo, a mulher, que tem entre 20 e 25 anos, estava sem roupa.