1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Taxistas executivos fazem manifestação em Campinas


Motoristas reclamam que apesar de legalizados, estão sendo impedidos de trabalhar no aeroporto de Viracopos


31/08/2012 - 14h05 . Atualizada em 31/08/2012 - 00h00
Portal RAC    

Carreata dos taxistas executivos
(Foto: Douglas Fonseca/Portal RAC)
Taxistas preparam carreata em Campinas
(Foto: Douglas Fonseca/Portal RAC)

Motoristas de táxis executivos estão realizando uma manifestação em Campinas nesta sexta-feira (31). A manifestação começou na frente da Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) e chegou a Prefeitura por volta das 15h50.  A ideia do grupo é seguir na sequencia até o aeroporto de Viracopos.

Os manifestantes alegam que estão sendo impedidos de trabalhar no Aeroporto Internacional de Viracopos e que alguns carros estão sendo guinchados pelos agentes de trânsito. 'Pagamos os impostos direito e estamos sendo impedidos de trabalhar', reclama um motorista que não quer revelar seu nome.

Segundo os manifestantes, a carreata só aconteceu porque houve um impasse sobre uma possível reunião que seria agendada para a próxima segunda-feira (3).  A presença da imprensa teria sido o ponto de divergência entre as partes.

Em nota, a Emdec alega que os motoristas foi surpreendida com o ocorrido, pois não havia nenhum pedido de atendimento ou reunião, previamente agendada, com os diretores da empresa municipal. A assessoria de imprensa disse desconhecer quem são os manifestantes; e, sobretudo, quais são as reivindicações.

Legalização
Na terça-feira (21), a Emdec autorizou o serviço de fretamento executivo realizado por veículos automotores na cidade — até então considerados irregulares. A medida será controlada com a adoção de selos nos carros prestadores deste tipo de serviço. A empresa elabora uma minuta de projeto de lei, que será encaminhada ao Executivo, regularizando a atividade. A implantação dos selos ocorre até o final deste mês e vai permitir a circulação desses veículos.

A decisão foi tomada após a Associação de Empresas de Transporte Executivo de Campinas entrar com uma ação na Justiça contra a Emdec.

Cerca de 41 veículos de empresas que prestam serviço nessa modalidade foram apreendidos e autuados como “táxis piratas” neste ano. A decisão da 1a. Vara da Fazenda Pública concedeu liminar para as empresas continuarem trabalhando.

A associação alega que as empresas atuam na locação de veículo com motorista, firmando contratos de prestação de serviços de transporte com empresas contratantes. E que não atendem ao público geral — como é o caso dos táxis — o que não infrigiria a Lei Municipal no. 13.775/10, que regulamenta o serviço de táxi. Cerca de 500 veículos fazem parte da frota executiva.

Os selos serão implantados nos veículos cadastrados na associação e no Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros por Fretamento (Sinfrecar).

Impasse

A decisão gerou revolta dos taxistas. Eles alegam que além de “roubar” uma grande parcela de clientes, o serviço executivo não pode ter uma autorização, já que o município fez uma licitação para 50 táxis executivos que começarão a circular em sete pontos fixos (aeroporto de Viracopos, Terminal Ramos de Azevedo e centros comerciais) a partir de novembro.

“Eles vão acabar com o serviço de táxi da cidade. Existem muitos carros que trabalham como táxis piratas. A decisão foi tomada sem consultar ninguém”, disse Cesar Góes presidente do Sindicato dos Trabalhadores Empregados de Táxi de Campinas (Sintretaxi). Hoje a frota de Campinas é de 888 táxis legais.

César afirmou que na semana passada fez uma denúncia na Câmara acusando a presença de 350 táxis clandestinos no município. “São veículos comuns, sem nenhum adesivo ou pintura da nossa frota, mas com placa vermelha.”

No ponto de táxi do aeroporto a medida também foi criticada. “Cansei de ver essas empresas pegarem nossos clientes”, afirmou o taxista Francisco de Oliveira.

O advogado da associação que conseguiu liminar na Justiça, Ricardo Marcondes Moretti, negou que as empresas que fazem fretamento executivo tiram clientes de taxistas. “Trabalhamos com empresas grandes que buscam de tratamento diferenciado. Com motorista bilíngue e também tem a questão de segurança.”

Com informações do repórter Douglas Fonseca/AAN