1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Lixeira subterrânea entra em operação nesta segunda (10)


Modelo de caçambas para coleta de lixo já é usado em Paulínia


09/09/2012 - 07h54 .
Glaucia Santinello   AGENCIA ANHANGUERA DE NOTÍCIAS  


Local onde ficarão algumas das lixeiras, na praça em frente à Igreja do Carmo
(Foto: Alessandro Rosman/AAN)

Seis lixeiras subterrâneas instaladas no Largo do Rosário, na Praça Bento Quirino e na Praça Antônio Pompeo Quirino (em frente à matriz do Carmo) pela Prefeitura de Campinas entrarão em operação na segunda-feira (10). 

Na última semana, a Administração realizou testes operacionais para implantação das lixeiras — que contam com o modelo de caçambas subterrâneas que já é usado em Paulínia. 

A Secretaria de Infraestrutura informou que, para dar início ao projeto piloto, as lixeiras serão instaladas, inicialmente, nestes três pontos da cidade, mas a ideia é introduzir o sistema em outros locais do município por meio da licitação do contrato do lixo. 

Na audiência pública, realizada na última quinta-feira, e que apresentou o edital para a Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), o secretário da pasta, Dirceu Pereira Junior, informou que este novo edital da coleta do lixo contemplará a aquisição de 96 novas lixeiras subterrâneas. Com isso, Campinas terá um total de 102 novos equipamentos. 

O sistema de coleta é semelhante aos das lixeiras convencionais, com a diferença que a caçamba não fica exposta, eliminando mau cheiro e evitando ações de vândalos. 

“Parece ser um sistema moderno de coleta de lixo, é esperar para entrar em operação para opinar”, comenta a dona de casa Tânia Queiroz, de 37 anos, moradora do Centro. Inicialmente, os contêineres receberão lixo orgânico produzido pelo comércio da região central, mas a previsão é também o recolhimento de materiais recicláveis. 

Uma lixeira fica na superfície e direciona o material para o contêiner localizado a até 1,5 m do subsolo. Cada uma das caçambas tem capacidade de aproximadamente 2,5 mil litros e serão removidas por caminhões que realizam a coleta no horário noturno.

Leia mais nas edições do dia 09/09 dos jornais do Grupo RAC