1. notícias
  2.  > 
  3. Campinas e RMC

Escola ensina motorista a perder medo de dirigir


O medo de direção — conhecido entre os especialistas por amaxofobia — é mais comum do que parece segundo psicóloga

22/01/2011 - 22h28 . Atualizada em 22/01/2011 - 22h35

Danilo Campos    

A médica Débora Gomes durante aula prática: volta à direção após três anos de táxi, ônibus e carona
(Foto: Leandro Ferreira/AAN)
Tags
Campinas motorista

Para alguns, conseguir tirar a carteira de habilitação de motorista é ser aprovado em um dos testes psicológicos mais difíceis. Para outros, o martírio começa logo depois da aprovação no exame prático. O medo do volante tem levado motoristas habilitados que não conseguem enfrentar o trânsito do dia a dia a procurar autoescolas e aulas particulares para perder o trauma da direção. De acordo com dados da 7º Circunscrição Regional de Transito (Ciretran) são emitidas em média 2 mil carteiras de habilitação de motoristas de automóveis mensalmente em Campinas. Mas nem todas entram no dia a dia do trânsito da cidade. 

O medo de direção — conhecido entre os especialistas por amaxofobia — é mais comum do que parece, segundo a psicóloga Adriana Lindoio Potye, da Clínica Escola Cecília Bellini de Campinas, centro especializado em tratamento psicológico para pessoas que apresentam trauma de direção. “Os sintomas são semelhantes aos que as pessoas apresentam em uma situação de pânico: suor, calafrios, tremedeira, choro e o coração dispara. Tudo isso está pautado no medo de falhar”, disse a psicóloga. 

Para enfrentar o trauma da direção, os motoristas passam por terapias em grupo e aulas práticas nas ruas, em locais menos movimentados para serem observados por especialistas. Em geral são duas horas de terapia e 50 minutos de aula prática por dia.
Segundo a psicóloga, o medo pode surgir a partir de um acidente de trânsito ou até mesmo o receio de errar. Mas na maioria dos casos, o pavor se deve à falta de prática. “O perfeccionismo leva as pessoas simplesmente a parar de dirigir”, disse.

Leia a matéria completa na ediçãodo Correio Popular do dia 23/01/2011