1. Você está aqui:  
  2. Home
  3.  > 
  4. notícias
  5.  > 
  6. Campinas e RMC

Acidente mata 4 pessoas em Santo Antônio de Posse


Fiat Bravo ocupado por duas pessoas bateu de frente com um Fusca onde estavam as vítimas


16/03/2011 - 23h45 . Atualizada em 16/03/2011 - 23h55

Lívia Mota       Compartilhar  


O Fusca totalmente destruído na rodovia, interditada por 2 horas
(Foto: Jornal O Regional)

Quatro pessoas morreram e outras 3 ficaram feridas em uma batida entre 2 carros, na parte da manhã desta quarta-feira (16/03), na altura do Km 23 da SP-107, que liga Santo Antônio de Posse a Holambra e Artur Nogueira, no bairro Ressaca, em Santo Antônio de Posse.

Rogério Aparecido Rosa, 27 anos, Diones Aparecido Borges, 26, Luiz Carlos Gouveia, 38, e Durval Carlos Rodrigues, 48, estavam no Fusca, que foi atingido por um Fiat Bravo. Eles morreram na hora.

O motorista Pedro Aparecido Rosa, 53, continua internado e seu estado requer cuidados. Ele foi levado para o Hospital de Jaguariúna e durante à tarde foi transferido para o HC da Unicamp.

Patrick Alberto Lucindo, 23, e Adenílson Donizeti Gomes de Morais, 38, ocupantes do Brava, tiveram ferimentos leves e foram liberados nesta quarta-feira (16) mesmo.

Sem controle

De acordo com a Polícia Rodoviária, o veículo Fiat Bravo teria invadido a pista contrária e seguido na contramão até bater de frente com o outro carro. A polícia não soube informar o que teria provocado a perda do controle do Fiat Bravo. Ainda de acordo com a polícia, a pista ficou interditada por aproximadamente duas horas. Os corpos das vítimas foram enterrados durante a tarde desta quarta-feira (16) no Cemitério de Santo Antônio de Posse.

Segundo uma testemunha, os dois homens que estavam no veículo Fiat Bravo são pastores da Igreja Internacional da Graça de Deus, em Campinas. Eles foram encaminhados para o Pronto-Socorro de Santo Antônio de Posse e, após serem medicados, foram liberados.

A reportagem da Agência Anhanguera de Notícias (ANN) entrou em contato com a Igreja e uma pessoa que se identificou apenas como um “obreiro” afirmou que não tinha mais informações sobre o acidente, que todos estavam “transtornados” e que só falariam sobre o caso hoje. (Colaborou Luciana Brunca/AAN)